Descrição de chapéu Zona Norte

Grávida de 8 meses é morta a facadas no meio da rua na zona norte de SP

Ex-marido da vítima, que está sendo procurado pela polícia, é o principal suspeito do crime; bebê também morreu

São Paulo

A boliviana Suely Claudia Fernandez Argani, 24 anos, foi morta a facadas, após uma discussão com seu ex-marido, de 30 anos, também boliviano, por volta das 7h20 desta sexta-feira (21) no Jardim Brasil (zona norte da capital paulista). A vítima estava grávida de oito meses. O bebê, do sexo masculino, também morreu. O suspeito do crime não havia sido preso até a conclusão desta reportagem. A mulher tinha três filhos.

Este é o segundo feminicídio (quando a vítima é morta por ser mulher) registrado na capital paulista em pouco mais de 24 horas.

Feminicídio boliviana grávida
O boliviana Suely Claudia Fernandez Argani, 24 anos, foi morta a facadas, após uma discussão com o ex-marido no Jardim Brasil (zona norte da capital paulista) - Reprodução/Fcebook

​Segundo imagens de uma câmera de monitoramento, Suely atravessa a rua, perseguida pelo homem, que a alcança a mulher e a arrasta para a calçada. Na sequência, ele dá ao menos dez facadas na boliviana​, sendo a maioria na região do pescoço da mulher. Após a violência, o suspeito vai embora caminhando.

A reportagem apurou que o homem foi até uma igreja evangélica, onde teria discutido com Suely instantes antes de a esfaquear. Depois voltou ao templo para pedir ajuda à vítima e fugiu. 

As imagens também mostram Suely, já ferida, pedindo socorro aos carros que passam pela avenida Mendes da Rocha, altura do número 784. Porém, ela é ignorada, inclusive por um ciclista, que passa ao lado da boliviana. 

Por fim, as imagens mostram a vítima se levantando e caminhando com dificuldade, até sumir. A Polícia Militar afirmou que a boliviana foi encontrada, já sem vida, perto do local onde foi esfaqueada. 

O 73º DP (Jaçanã) investiga o que teria motivado o crime, registrado como feminicídio.  

Feminicídios crescem na capital e no estado de SP

Os casos de feminicídio subiram na capital paulista e no estado de São Paulo, respectivamente, 51,7% e 33,8%. Os dados são da SSP (Secretaria da Segurança Pública), gestão João Doria (PSDB). 

Foram 29 casos na capital em 2018 e 44 no ano passado. Já no estado foram registradas 136 ocorrência em 2018 e 182 em 2019.

Erramos: o texto foi alterado

A versão anterior deste texto informava incorretamente no título que  a mulher foi morta na zona leste

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.