Veja 7 dicas de sexo para a quarentena da pandemia de coronavírus

Enquanto para muitos o tesão aumenta, para outros os problemas afloram

Desejo durante a quarentena
Desejo durante a quarentena - gpointstudio - stock.adobe.com
São Paulo

Se manter o sexo apimentado em uma relação duradoura já não é tarefa fácil, imagine em meio a uma quarentena, como a que estamos vivendo, em que muitas vezes o casal está trancado na mesma casa, ou ainda na companhia dos filhos. Segundo a sexóloga Carla Cecarello, após um período de empolgação com a situação, vem o sentimento de tédio. "O desejo fica estagnado."

O importante, segundo o infectologista Wladimir Queiroz, membro da Sociedade Brasileira de Infectologia, é que "quarentena não significa abstinência, mas isolamento". Por isso, na hora de transar, mesmo que você seja idoso, considerado grupo de risco, se ambos estiverem cumprindo o isolamento social à risca, não há por que se privar. Muito menos fazer sexo de máscara." É um absurdo. Você vai ter um contato íntimo e não dar nem um beijinho", completa Queiroz.

O artista Claudio*, 62 anos, conta que a vida sexual dele com a mulher, 60 anos, segue na ativa. "Estamos de quarentena, mas continuamos transando em média de uma vez por semana", conta. Já Olívia*, 52 anos, casada com um homem de 61, fala que a vida sexual ativa dos dois só continuou devido ao alto grau de confinamento a que se submeteram. "Não saímos de casa há 40 dias." Assim, ninguém corre o risco de infectar o parceiro.

O infectologista Leonardo Weissmann, também membro da Associação Brasileira de Infectologia, lembra que, mesmo assim, alguns cuidados devem ser tomados. São necessário mais estudos para comprovar, por exemplo, que não há transmissão do vírus por sexo oral. Mas já se sabe que Aids e sífilis são doenças transmitidas dessa forma, não se pode esquecer.

A psicóloga Mariana Gardim, lembra, contudo, que a importância da saúde sexual se mantém como um dos pilares da qualidade de vida segundo OMS (Organização Mundial da Saúde): "Nada mudou com relação à sua importância e necessidade nas nossas vidas".

Já a sexóloga Carla Cecarello lembra a privação pela qual passam os que estão sozinhos em suas casas na pandemia. "É difícil lidar com a falta de um parceiro ou uma parceira. Tenho pacientes que trocam ideias em sites de relacionamento para ver se, de repetente, emplacam algo para depois da quarentena. São as pessoas que mais sofrem."

Idosos se animam na quarentena
Idosos transam na quarentena - Deagreez / AdobeStock

Saiba o que fazer e o que não fazer

1

O princípio básico de fazer sexo em quarentena é garantir que seu parceiro (ou parceiros) esteja devidamente de quarentena também. Caso contrário, o que era para ser um ato de carinho acaba virando uma forma de transmissão do coronavírus. A responsabilidade tem que ser de cada um. O mesmo vale para os idosos, claro (com cautela em relação ao uso do Viagra).

2

Não se anime com notícias falsas alertando que o orgasmo aumenta a imunidade do corpo contra a Covid-19. É mito. O que é verdade é que os hormônios liberados aumentam o bem-estar. E que sexo ajuda a passar o tempo. Já é suficiente, né?

3

Não fazer sexo é uma opção de cada um e não há nada de errado com a abstinência se o casal não se sentir confortável ou morar em casas diferentes, por exemplo. Tudo é questão de opção e de disponibilidade e vontade.

4

Também nada impede um jovem de fazer sexo com alguém da terceira idade, desde que os dois estejam em quarentena, o sexo pode ser algo bom no isolamento social. Sempre um respeitando um ritmo e os limites do outro.

5

A vida sexual pode mudar para casais que passam o dia inteiro juntos e se estressam um com o outro. Estar no mesmo ambiente e trabalhar na mesma casa pode atrapalhar. Para os que passam por dificuldade sexual a quarentena é muito ruim. A proximidade pode acabar com o tesão. Mas é muito relativo. Nesse caso, conversar é muito importante.

6

Esqueça a ideia de transar de máscara. Sexo é um ato íntimo e não fazer sentido tentar evitar esse tipo de contato. Mas uma coisa é fato: enquanto a saliva é transmissora da Covid-19, não há comprovação de que os fluídos corporais passem a doença. Mas as fezes são transmissoras. Então, sempre vale a pena ponderar se não seria o caso fazer sexo anal de camisinha. O conteúdo anal é cheio de bactérias.

7

Se você não estiver em quarentena com seu parceiro ou até se quiser arriscar algum outro, o sexo virtual é uma opção que, além de prazeirosa, permite conhecer o próprio corpo. E o do parceiro, claro. Só tome as devidas precauções de a pessoa não vá expor a intimidade de vocês dois na internet. O cuidado deve ser ainda maior se isso ocorrer por meio de grupos na internet.

Comportamento sexual reflete emoções

Se a quarentena pode dar tesão, ela pode também tirar debaixo do tapete um monte de questões mal resolvidas do casal. Uma delas é justamente a insatisfação com a vida sexual. "Tenho clientes dizendo que têm aproveitado melhor a relação, Mas outros, pelo contrário, dizendo que que 'a poeira que estava debaixo do tapete saiu' e repensando a relação com a vida", diz a psicóloga Mariana Garbim.

"De maneira geral, sim, estamos todos em crise no sentido de transição. Então, você pode transitar do ruim para o pior, do ruim para o melhor ou vice-versa. O medo de perder alguém está real, e isso faz pensar" completa Mariana.

"Para alguns casais, que já tinham problemas, tiveram um estresse ainda maior com essa relação. Ter que ficar ali perto todos os dias. Por isso é muito importante aproveitar que não tem para onde correr para ter uma conversa bem direta e franca", completa sexóloga Carla Cecarello.

Fontes: Infectologistas Wladimir Queiroz e Leonardo Weissmann, da Associação Brasileira de Infectologia; Carla Cecarello, sexóloga; e Mariana Garbim, psicóloga

  • *nomes fictícios a pedido dos entrevistados
Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.