Descrição de chapéu Opinião

Caneladas do Vitão: Sociedade e futebol perdem com a imbecilidade na rede

Vitor Guedes
São Paulo

Tristeza não tem fim, felicidade, sim... Alô, povão, agora é fé! "A sociedade é maior do que o mercado. O leitor não é consumidor, mas cidadão. Jornalismo é serviço público, não espetáculo", definiu Alberto Dines. Para Millôr Fernandes, "jornalismo é oposição, o resto é armazém de secos e molhados". Os conceitos valem também para esportes, embora há quem confunda jornalismo com entretenimento.

João Palomino, Arnaldo Ribeiro, Juca Kfouri e Rafael Oliveira (da esq. para a dir.) deixaram de fazer parte da equipe da ESPN
João Palomino, Arnaldo Ribeiro, Juca Kfouri e Rafael Oliveira (da esq. para a dir.) deixaram de fazer parte da equipe da ESPN - Reprodução/ESPN

A história da Democracia Corinthiana passa pelas antológicas narrações de Osmar Santos, é impossível separar a conquista do tetra da seleção ou dos três títulos do Ayrton Senna das narrações de Galvão Bueno... A paixão pelo meu time foi contada em minha infância por José Silvério, no rádio, e de grandes repórteres e colunistas que passaram pelos saudosos A Gazeta Esportiva, Jornal da Tarde, Diário Popular e Folha da Tarde ("pai" do nosso Agora), e da Folha de S.Paulo. Era um tempo em que corinthianos admiravam Roberto Avallone assim como palestrinos respeitavam Chico Lang.

A demissão por atacado na ESPN Brasil faz parte do mercado e rola em todas as áreas. Triste mesmo é a patética e canalha comemoração por parte de uma parcela cretina da sociedade, gente que, ainda, felizmente, é minoria, mas vomita ódio e faz barulho nas redes antissociais.

Não concordo com tudo que pensam Juca Kfouri, Claudio Arreguy, João Canalha, Eduardo Tironi, Arnaldo Ribeiro e Rafael Oliveira, aos quais dedico esta coluna, mas só um idiota completo liga a TV, o rádio, abre o jornal ou navega na web para encontrar o próprio pensamento.

Tenho orgulho de estar no Agora desde 2001 e, desde 2006, assinar Caneladas e de ser comentarista do "Baita Amigos", no Bandsports, mas já passei por facão em outros momentos. E como tudo tem algo bom, é na dificuldade que a gente conhece quem está do nosso lado e quem não vale nada.

 

Charles Chaplin: "Amo o público, mas não o admiro. Como indivíduos, sim. Mas, como multidão, não passa de um monstro sem cabeça".

Eu sou o Vitor Guedes e tenho um nome a zelar. E zelar, claro, vem de ZL. É tudo nosso! É nóis na banca!

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.