Jeep Wrangler traz desenho clássico de volta ao Brasil

Fiel ao Willys MB de 1941, Jeep Wrangler volta a ser vendido

Fernando Pedroso
São Paulo

Assim como a Volkswagen vive fazendo releituras do clássico Fusca, seja como New Beetle ou com o próprio nome famoso, a Jeep também mantém o seu modelo clássico na memória dos seus clientes e aficionados.

O homenageado, no caso, é o Willys MB de 1941. Estão lá as referências como os faróis redondos, os para-lamas pronunciados, as dobradiças aparentes, as lanternas traseiras quadradas e o estepe pendurado na traseira.

 

Outro charme mantido é o para-brisa que pode ser dobrado para a frente. Painéis do teto e as portas também podem ser removidos.

Apesar disso, há um ar de modernidade, como o uso de LEDs nos faróis e lanternas.

Mas debaixo dessa casca retrô, mora uma mecânica moderna que equipa a versão Sahara em duas carrocerias, de duas e quatro portas (Unlimited). Os preços sugeridos são de R$ 259.990 (2p) e R$ 274.990 (4p).

O motor é um 2.0 turbo com injeção direta e 270 cv de potência. O câmbio automático tem oito marchas. O sistema de tração 4x4 usa uma caixa de transferência de duas velocidades com tração integral permanente e uma relação reduzida.

Entretanto, continuam existindo as posições específicas para off-road, com a tração 4x4 dividida igualmente entre os dois eixos e a 4x4 reduzida. Tudo selecionado pelo seletor ao lado da alavanca de câmbio.

A nova geração também não deixou a segurança de lado. O Wrangler tem airbags laterais, controles de tração, de estabilidade e de oscilação da carroceria.

Com duas portas, o Wrangler é mais curto e tem menos porta-malas. O banco traseiro é feito para apenas duas pessoas. Com quatro, pode levar cinco passageiros com mais espaço para bagagem (192 litros a 548 l do mais longo).

Entre os equipamentos, traz ar-condicionado automático, direção eletro-hidráulica e central multimídia com espelhamento de celular e instrumentos off-road.
 

Versão radical vem no segundo semestre

Inédita no país, a versão Rubicon está prevista para o próximo semestre, quando o preço será revelado. Ela é mais equipara para o uso fora de estrada.

A opção usa o sistema Rock-Trac 4x4, com eixos Dana 44 de alto desempenho com relação mais reduzida do que na Sahara.

Os outros recursos exclusivos serão: diferenciais de bloqueio eletrônico, barra estabilizadora dianteira com desconexão eletrônica, suspensão 5 cm mais alta, pneus lameiros BF Goodrich de 33 polegadas e mais proteção sob a carroceria.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.