Descrição de chapéu Opinião

Caneladas do Vitão - A Árvore: a vida vegetativa do futebol alheio à vida

O tempo passa, o mundo gira, não há vacina...

São Paulo

O povo é a raiz do futebol-raiz desde que a melhor criação do homem foi inventada. Plantada no coração da humanidade, de cima para baixo. Amor fertilizado com a bola, vadia, deslizando, desleixada, a esmo, pirâmide abaixo, quicando, tocando e penetrando as cabeças desde sempre ignoradas pelos intocáveis donos da bola.

Ora, bolas, bolada, criada. Do subsolo invisível às coberturas, mesmo completamente alijado das primeiras cruzadas, o povo é irreversivelmente contaminado. Infiltrações culposas espalham a paixão etérea, que independe de contrapartidas bem boladas.

charge com um cartola de futebol com uma motosserra e vários tocos de árvores cortadas

O contato contagia. Futebol é a primeira pandemia. O tempo passa, o mundo gira, não há vacina... Roda a bola, bola roda, dá a volta no globo. Muito antes do plim-plim. Futebol é respirar, tête-à-tête, sentir, tim-tim.

O esporte bretão desabrocha. E gera frutos multiculturais, sortidos, coloridos. O passatempo nobre vira negócio onde se faz necessário incluir o pobre.

Nó na madeira, ignorado, lançado às traças, o povo é o caule orgânico que leva o futebol da raiz amadora a render frutos milionários, bilionários, trilionários. Cartolas nascem, reproduzem, morrem apodrecidos e voltam a adubar o sistema.

Em paralelo, há o grito mudo dos excluídos. Folhas e mais folhas são escritas, vividas, repartidas. A verdade faz curva sobre barreira: o Brasil vira Brasil e enche o peito para gritar Brasil com a folha seca de Didi, em 1958. Ninho seguro para o voo de Garrincha de Pau Grande, Pau-Brasil gentificado. A natureza escreve certo por pernas tortas e deixa a semente. Futebol é simples e complexo. À Garrincha, côncavo e convexo.

Quando a esperteza é demais mata o esperto. O futebol, aliado da putrefata turma que passa a boiada sob o fedor mórbido, perde até quando acha que ganha. Perde a guerra quem comemora sua vitória de Pirro como uma batalha de mundo à parte.

Sem a subversividade que coloca o brilho preto e branco de gente a eclipsar a relva verde, falta oxigênio para o futebol respirar. Até para sobrevir como negócio, futebol é esporte. O povo é o seu insumo, vital aporte, majoritário sócio. Quem o tem, tem sorte. Sem ele, é a morte.

A crônica "A Árvore" foi livremente inspirada no fotossintético monólogo homônimo escrito por Silvia Gomez, dirigido por Ester Laccava e João Wainer e estrelado divinamente por Alessandra Negrini.

Eduardo Galeano: "Somos porque ganhamos. Se perdemos, deixamos de ser".

Vitor Guedes
Vitor Guedes

44 anos, é ZL, jornalista formado e pós-graduado pela Universidade Metodista de São Paulo, comentarista esportivo, equilibrado e pai do Basílio.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.