Aposentado afirma que praça está imunda; veja outras reclamações

Morador solicita que a Prefeitura de São Paulo limpe o local

Ana Paula Branco
São Paulo

Em outubro do ano passado, o aposentado Eduardo Gaeta, 68 anos, do Tatuapé (zona leste), reclamou ao Agora sobre a falta de limpeza da praça Santa Terezinha, que fica em frente ao prédio onde mora. De acordo com o leitor, o local precisa novamente de atenção do município, pois está repleto de lixo.

Segundo leitor, desde a gestão anterior a praça não recebe a devida manutenção diariamente
Segundo leitor, desde a gestão anterior a praça não recebe a devida manutenção diariamente - Luiz Carlos Murauskas/Folhapress


“Desde a gestão anterior não fazem uma limpeza diária digna. A praça é cortada pela avenida Azevedo e um funcionário só não consegue dar conta”, afirma Gaeta. “A praça está realmente imunda, cheia de bagulhos e sujeira deixada por pedestres e carroceiros”, diz.

Prefeitura de São Paulo
Tel.: 156
 

Prefeitura diz que faz manutenção

A Subprefeitura Mooca informa que, no dia 12 de março, equipes realizaram serviços de zeladoria e limpeza no local. A Amlurb (Autoridade Municipal de Limpeza Urbana) diz que a manutenção da praça é feita semanalmente, conforme programação da subprefeitura, e nas vias do entorno, como na avenida Azevedo. A frequência de varrição é diária. O órgão diz ainda que as equipes de limpeza recolhem cerca de 5,8 toneladas de resíduos por dia na região.
 

Veja outras reclamações

Saúde

A advogada Mary Elizabeth, 71 anos, de Vila Albertina (zona norte), diz que há três meses tenta retirar o medicamento Eprex (alfaepoetina) 10.000 UI na farmácia de alto custo Várzea do Carmo, mas está em falta. A leitora conta que tem anemia e não pode ficar sem o remédio. “O medicamento é muito caro e eu não posso comprar”, queixa-se.

Resposta

A Secretaria de Estado da Saúde informa que o Alfaepoetina 10.000 UI é comprado e distribuído aos estados pelo Ministério da Saúde. Em nota, o MS esclarece que finalizou a licitação para a compra do medicamento, que deverá ser distribuído até o final de março.

Allianz Seguros

O autônomo Marcelo Silva Lima, 49 anos, de Santana (zona norte), conta que, às 15h35 de 1º de março, o seu enteado sofreu um acidente de trânsito e solicitou um guincho na Allianz Seguros. “Ligamos na empresa muitas vezes e diziam que estava a caminho”, diz. Segundo o leitor, como o serviço não foi enviado até 21h, ele contratou um guincho particular.​

Resposta

A Allianz Seguros informa que houve indisponibilidade do serviço na região em que o veículo se encontrava. A seguradora providência o reembolso do valor do guincho particular. Ao Agora o leitor disse que a Allianz só o procurou após a intervenção do jornal.

Odontoprev

O socorrista Ivo Fontabelle Barbosa, 65 anos, de Vila Granada (zona leste), diz que a empresa desmarcou uma consulta e cancelou o seu plano odontológico, alegando o não pagamento da mensalidade de outubro de 2018. Segundo o leitor, os pagamentos estão em dia. “O boleto de outubro foi pago junto com a mensalidade de novembro”, explica.

Resposta

Em nota, a assessoria de imprensa da Odontoprev esclarece que entrou em contato com o beneficiário no dia 15 de março e informou que o plano foi reativado no dia 11 do mesmo mês. O leitor agradeceu a intervenção do jornal.

Prefeitura

O técnico em informática Waldecy Antonio Simões, 78 anos, da Penha (zona leste), reclama do canal online para reclamações da Prefeitura de São Paulo. A queixa é contra o “captcha”, que usa imagens para impedir o registro de informações falsas. “O quadro de imagens é escuro. Um dia eu tentei por 14 vezes decifrar tais imagens e desisti”, relata.

 Resposta

Em nota, a Prefeitura de São Paulo esclarece que a central SP156 irá contatar o cidadão para orientá-lo e garantir o registro eficiente da solicitação. Ao Agora o leitor confirmou a informação, mas disse que a dificuldade persiste. “Precisa acabar com isso”, afirma.

Ponto Frio

O técnico desportivo Régis Roberto Marrelli, 49 anos, de São José dos Campos (97 km de SP), afirma que comprou uma cabeceira de cama de casal no Ponto Frio, e a entrega foi marcada para 9 de fevereiro. Segundo o leitor, o produto não foi entregue. “Minha mulher ligou durante um mês. Alegaram problema com a transportadora e extravio.”

 Resposta

Em nota, a assessoria de imprensa do Ponto Frio informa que notificou o cliente via email e confirmou o estorno. Ao Agora a esposa do leitor, a professora Carmen Sílvia Sanfins Marrelli, 44 anos, disse que recebeu o email, mas que o estorno da grana não foi feito.

TIM


O aposentado Reinaldo Sória de Oliveira, 72 anos, de Osasco (Grande SP), conta que pagou sua conta de telefone em cinco vezes. Segundo o leitor, a operadora TIM alegou que não recebeu a última parcela. “Paguei novamente e pedi a devolução. A TIM disse que eu teria que esperar de três a cinco meses para análise do caso e resposta”, explica.

 Resposta

A TIM não havia se manifestado sobre o caso até o fechamento da edição. O leitor afirmou ao Agora que a TIM enviou uma mensagem a ele com nova cobrança. “Paguei duas vezes a mesma fatura e agora estão me cobrando o que?”, questiona. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.