Diabético fica sem remédio na capital paulista

Zelador diz que chegou a ficar 20 dias sem tomar medicamento para controle do diabetes

José Aparecido Oliveira, 59, conta que precisa do Gliclazida diariamente, mas ficou sem tomar porque postos de saúde estavam sem estoque
José Aparecido Oliveira, 59, conta que precisa do Gliclazida diariamente, mas ficou sem tomar porque postos de saúde estavam sem estoque - Otavio Valle/Folhapress
Patrícia Pasquini
São Paulo

A falta do medicamento Gliclazida, que auxilia no tratamento contra o diabetes, trouxe uma preocupação a mais para o zelador José Aparecido de Oliveira, 59 anos, da Vila Buarque, na região central da capital. 

O Gliclazida sumiu das prateleiras das UBSs (Unidades Básicas de Saúde) do município. No caso do leitor, foram 20 dias sem o remédio. No período, o zelador conta que esteve na UBS Dr. Humberto Pascale, na Santa Cecília (centro) por três vezes. É o posto de referência para moradores do seu bairro retirarem os medicamentos.

“Na UBS nunca me diziam quando o Gliclazida estaria disponível para entrega, apenas que estava em falta. Também não explicavam o porquê ainda não tinha sido reposto. Estava preocupado”, afirma o paciente. 

O Gliclazida é de uso contínuo e deve ser tomado diariamente. Se o paciente interromper o tratamento, pode ter sérias consequências da doença. “Eu preciso do remédio e não posso comprar, porque é muito caro”, conta o leitor ao Agora.

Quem não consegue retirar o medicamento na rede pública de saúde desembolsa cerca de R$ 40 por uma caixa com 30 comprimidos.

Secretaria Municipal da Saúde
Tel.: (11) 3397-2000

Caso resolvido

Em nota, a assessoria de imprensa da Secretaria Municipal da Saúde, da gestão Bruno Covas, informa que a UBS Dr. Humberto Pascale foi reabastecida com o medicamento Gliclazida, que está disponível. Segundo a nota, o paciente já foi avisado para fazer a retirada.

O órgão não explicou o motivo da falta do remédio. Ao Agora o leitor confirmou a informação e disse que já retirou o medicamento. “Agradeço a ajuda do jornal”, afirmou.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.