Descrição de chapéu Defesa do Cidadão

Britadeira acorda morador

Sabesp realiza obra durante a madrugada na região central

Ana Paula Branco
São Paulo

O técnico de informática Emerson Franklin, 44 anos, da Sé (região central), afirma que, no dia 17 de abril, por volta das 2h, acordou com o som de uma britadeira.

Se­gundo o leitor, o barulho era de uma obra da Sabesp na rua Tabatinguera, onde mo­ra. “O uso de britadeira é su­portado até as 22 h, por cau­sa do nível de barulho, mas isso não foi respeitado. Há
vários canos para continuar a obra, ou seja, continuaremos a viver outro inferno”, quei­xa-se o leitor.

 
Homens trabalham com britadeira durante a noite e causam um enorme barulho
Homens trabalham com britadeira durante a noite e causam um enorme barulho - 2008 - Henrique Manreza/Folhapress

“Por que não interditam a rua durante o dia? Espero bom senso da Sabesp para corrigir a logística e não per­turbar o sono dos trabalha­dores”, diz Franklin.

Sabesp                                                                                                                                                                             Tel.: 195

Sabesp tenta antecipar horário

A Sabesp esclarece, por meio de nota, que realiza a troca nas redes de distribuição de água na rua Tabatinguera para melhorias no fornecimento.

A companhia afirma que tem autorização da CET para trabalhar das 22h às 5h.

Como forma de amenizar os transtornos, a Sabesp diz que solicitou antecipar o início dos trabalhos para 18h e aguarda autorização formal.

A empresa pede desculpas pelos transtornos e diz que a obra é muito importante pa­ra o abastecimento da região.

_____________________________________________________________

Veja mais reclamações

Vivo

O agricultor Benedito Antônio da Silva Andrade, 51 anos, de Embu-Guaçu (Grande SP), con­ta que o sinal para celular da Vivo não funciona na região onde ele mora. “Toda vez que reclamo com a empresa dizem 
que vão averiguar, mas nunca resolvem. Isso é um absurdo. Moro há 6 km de Embu-Guaçu e não há sinal aqui”, queixa-se o leitor à reportagem.

Resposta

 Vivo informa que sempre avalia a possibi­lidade de ampliações de sua rede para melhorar o serviço a seus clientes em todo o país, considerando a deman­da e critérios técnicos para expansão do atendimento. A empresa diz que a região do cliente está em avaliação.

Sky

A aposentada Iraci Ramos Car­doso Fernandes, 61 anos, de Alumínio (79 km de SP), afirma que tinha um plano da Sky Li­vre, mas ela reclama que, há um ano, a empresa não libera o sinal de alguns canais que 
eram abertos. “Quando com­prei a antena Sky Livre prome­teram que eu teria acesso aos canais e não precisaria pagar por isso. É absurdo.”

Resposta

A Sky informa que na região onde a consu­midora reside, o desliga­mento do sinal analógico já ocorreu e a operadora não tem mais autorização das emissoras para continuar transmitindo com o sinal di­gital de forma gratuita. É ne­cessária a recarga.

Americanas.com

A aposentada Iara Brasil Ferrei­ra, 76 anos, da Vila Nova Ca­choeirinha (zona norte), diz que, em fevereiro, comprou um cartucho de tinta para im­pressora nas Americanas.com, por R$ 37,90. No entanto, a 
leitora afirma que o modelo do produto foi entregue errado. “Desde o dia da entrega nin­guém da empresa me atende. É um total desrespeito.”


Resposta

As America­nas.com informam, por meio de nota de sua assessoria de imprensa, que entraram em
contato com Iara Brasil Fer­reira e estão tratando o caso. Em novo contato com o Ago­ra, a leitora disse que recebeu um vale-compras.

Saúde

A aposentada Maria Teresa To­deschini de Lima, de Itanhaém (106 km de SP), conta que está com problemas no aparelho di­gestivo e, após exames, o AME de Praia Grande lhe indicou fi­sioterapia pélvica com Biofeed­back. Porém, o tratamento não está disponível na região. Ela 
diz que sente fortes dores e não consegue arcar com o custo em clínicas particulares.


Resposta

A Secretaria de Estado da Saúde esclarece que, segundo o Departamen­to Regional de Saúde Baixada
Santista, a paciente tem con­sulta agendada com especia­lista em gastroclínica no dia 13 de maio, no Hospital São Paulo. Ao Agora a leitora con­firmou o agendamento.

Zupper

O aposentado Admilson Lopes Silva, 47 anos, de São Vicente (65 km de SP), diz que comprou uma passagem para Aracaju (SE), com embarque em 8 de maio, pela Zupper, mas a taxa de R$ 39,51 da agência não foi debitada em seu cartão. “Duas tentativas de cobrança foram recusadas. Assim que eu soube, liguei para a Zupper, mas não resolvem nada.”


Resposta

A Zupper escla­rece, por meio de nota, que em 26 de abril a pendência financeira do consumidor foi
regularizada e um email de quitação de valores foi en­viado. A empresa afirma ain­da que permanece à disposi­ção. Ao Agora o leitor confir­mou a cobrança da taxa.

Correios

O comerciante Marcio Shizzen Toma, 49 anos, de Guarulhos (Grande SP), afirma que, em 23 de janeiro, pagou o despacho postal de uma encomenda vin­da do exterior, mas o objeto não foi entregue. “Reclamei 
com os Correios e, mesmo fa­lando até com a ouvidoria, es­tou sem resposta. Quero que me digam o que ocorreu com a minha encomenda.”

Resposta

Os Correios afir­mam que não localizaram o objeto no fluxo postal, por­tanto, a taxa referente ao Despacho Postal pago pela encomenda no momento de nacionalização do objeto no Brasil será ressarcida pela
empresa no valor de R$ 15.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.