Descrição de chapéu Defesa do Cidadão

Aluno não consegue apresentar trabalho e pode perder diploma

Faculdade Anhanguera informa que já está em contato com leitor

O coordenador Gabriel César Anselmo Soares, 30 anos, de Cotia (Grande SP), diz que não consegue agendar a apresentação de seu TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), do curso de MBA que fez na faculdade Anhanguera.

O leitor diz ter medo de seu curso ser cancelado, pois precisa apresentar o trabalho até maio, como estipulado no contrato, ou terá de pagar tudo outra vez.

“No portal do aluno consta que fui aprovado em todas as matérias, mas o site não permite que eu marque a apresentação. Já fui diversas vezes até a faculdade e não consegui nenhuma explicação”, afirma o leitor.

Bloco de anotações e caneta
Bloco de anotações e caneta - Gabriel Cabral/Folhapress

Anhanguera Educacional

Tel.: 0800-8882344

Anhanguera entra em contato

A Anhanguera informa, em nota, que já está em contato com o leitor para auxiliar com esclarecimentos necessários. A instituição diz estar à disposição do aluno.

“Ligaram e pediram uma semana para resolver a minha situação. Espero que dê certo, maio está logo aí e posso perder tudo o que conquistei por falta de uma resposta. Obrigado, Agora, por me ajudar”, disse o coordenador em novo contato com o Defesa do Cidadão.

Outras reclamações

Iamspe

A servidora estadual Ivone de Oliveira Luz, 52 anos, de Osasco (Grande SP), conta que, em 2016, foi detectado um problema vascular em seu marido e ele foi orientado a passar por uma cirurgia. “Fizemos todos os exames e o Iamspe disse que entraria em contato para agendar o procedimento. Isso foi em fevereiro de 2017, mas até agora nada”, diz.

Resposta

Por nota, o Iamspe (Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual) informa que sua ouvidoria entrou em contato com o paciente para informar o agendamento de uma consulta com um especialista. “A cirurgia não foi marcada”, disse a servidora

Sabesp

O aposentado Mario do Carmo Roperto, 73 anos, da Aclimação (zona sul), afirma que existe um vazamento de água na rua Maracaí, em seu bairro, mas não consegue atendimento da Sabesp, pois no sistema da empresa a rua consta como inexistente. “Peço a intervenção do Defesa do Cidadão. É uma judiação ver tanta água escorrendo assim”, afirma.

Resposta

Em nota enviada por sua assessoria de imprensa, a Sabesp informa que uma equipe vistoriou o trecho informado pelo leitor, reparou o vazamento e fez a reposição do asfalto danificado. O serviço foi confirmado pelo leitor. “Agradeço a pronta atenção do jornal.”

Sky

A aposentada Iraci Ramos Cardoso Fernandes, 61 anos, de Alumínio (80 km de SP), conta que tinha um plano da Sky Livre que foi cancelado pela empresa no ano passado. Ela diz que entrou na Justiça, a empresa ofereceu outros planos pagos, mas ela recusou. “Isso é um absurdo. Quero uma explicação para o cancelamento”, diz a leitora ao Agora.

Resposta

A Sky informa que, na região onde a consumidora reside, o desligamento do sinal analógico já ocorreu e não há mais autorização das emissoras para seguir transmitindo estes canais de forma gratuita. Portanto, é necessário um plano pago para sua liberação.

Vivo

O administrador Roberto Moreira da Silva, 60 anos, de Cotia (Grande SP), afirma que a Vivo cobrou R$ 790,85 em sua fatura, em débito automático, de uma multa por quebra de contrato, que ele nunca assinou. “Nunca imaginei sofrer um golpe de uma empresa que me fornece tantos serviços. Preciso do ressarcimento imediato”, diz o leitor.

Resposta

A Vivo informa que o cliente será ressarcido com crédito em conta com o valor correspondente ao que foi cobrado erroneamente. À reportagem o leitor confirmou o contato da operadora. “Muito obrigada, Defesa do Cidadão, não sei o que faria sem vocês”, afirmou 

Subprefeitura

O aposentado Antônio Góis, 59 anos, do Jaraguá (zona oeste), diz que o mato está tomando conta de seu bairro. “As pessoas são obrigadas a andar no meio do mato, que já tomou as calçadas. Até os buracos no asfalto estão cobertos pelo capim. Isso é uma vergonha imensa”, reclama o aposentado, que cobra providências da Prefeitura de São Paulo.

Resposta

A Subprefeitura Pirituba/Jaraguá informa que o serviço de zeladoria foi executado e que uma equipe irá ao local avaliar buracos no asfalto para fazer os reparos nos próximos dias. Em novo contato, o leitor confirmou a realização dos serviços.

Riachuelo

A doméstica Rosa Maria dos Santos Borges, 45 anos, de Lucélia (600 km de SP), diz que tem dificuldades para cancelar o cartão da loja Riachuelo. “Ligo para eles e não consigo cancelar. Sempre que descobrem que não quero mais o cartão, a ligação cai magicamente e nunca retornam. Preciso do apoio do Agora para conseguir um retorno”, diz a leitora.

Resposta

Até a conclusão desta edição, a Riachuelo ainda não havia se manifestado sobre o assunto. “Não mereço esse tratamento, isso não se faz. Tenho direito de cancelar um cartão que não quero ter”, afirmou Rosa em novo contato com o Agora.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.