Descrição de chapéu Defesa do Cidadão

Leitor espera poda de árvore há 5 anos; veja outras reclamações

Subprefeitura realizará serviço, mas ele diz que prefeitura já prometeu solução antes

O aposentado Pedro Luis Wirth Correa, 57 anos, do Jardim Ana Rosa (zona sul), conta que fez um pedido à Prefeitura de São Paulo para que fosse realizada uma poda de árvore em frente à sua casa há mais de cinco anos, mas o serviço não foi feito.

Equipe de poda e remoção de árvores da Prefeitura
Equipe de poda e remoção de árvores da Prefeitura - Ribeiro/Folhapress

“Há dois anos, informaram que realmente tinham feito um laudo técnico que atestava a necessidade da poda, mas mesmo assim nunca vieram fazer o serviço”, diz. “Já reclamei diversas vezes, mas não resolvem. É um descaso completo. O Agora é o meu último recurso. Não tem mais para quem eu pedir ou paciência para esperar por mais cinco anos”, afirma o leitor à reportagem.

Prefeitura de São Paulo

Tel.: 156

Outras reclamações

Americanas.com

O representante de vendas Adriano Cardoso, 46 anos, de São Bernardo do Campo (ABC), afirma que comprou uma geladeira nas Americanas.com e, depois que a loja mudou a data de entrega, preferiu cancelar a compra. “Comprei com o cartão de crédito e, para a minha surpresa, na fatura veio a cobrança da geladeira cancelada”, diz o leitor à reportagem.

Resposta

As Americanas. com informam, por meio de nota, que a compra foi cancelada e que o estorno do valor pago ocorrerá de uma a duas faturas, de acordo com o prazo estabelecido pela administradora do cartão de crédito do cliente. A loja pede desculpas pelo transtorno.

Claro

A autônoma Alessandra de Freitas, 44 anos, da Vila Piauí (zona oeste), diz que fez a portabilidade para a Claro e contratou um plano no valor de R$ 49. Porém, desde janeiro, sua fatura chega no valor de R$ 79,90. “Disseram que alteraram o meu plano e acrescentaram um bônus, mas nunca pedi isso. Quero pagar o combinado”, diz a leitora.

Resposta

A Claro informa, por meio de nota, que realizou tentativas de contato com a leitora e não obteve sucesso. A operadora diz ainda que vai continuar à disposição.“Se for para me cobrar mais do que o contratado, quero cancelar esse plano”, disse a leitora ao Agora.

Unip

O barman Rosalvo Baptista de Sousa Neto, 26 anos, de Salvador (BA), diz que, em 2015, morava em São Paulo e estudava na Unip (Universidade Paulista), mas precisou voltar para Salvador e não conseguiu quitar o débito. “Tentei contato com a faculdade e pedi para parcelar o que eu devia, mas nunca aceitaram as minhas propostas”, diz o leitor.

Resposta

A Unip (Universidade Paulista) informa que tentou contato com o ex-aluno e não obteve resposta. A universidade afirma que fez propostas que não foram aceitas por Sousa Neto. “Quero pagar o que devo, mas preciso de melhores condições, disse o leitor.

Enel

O administrador Célio Cesar, 41 anos, do Parque São Domingos (zona oeste), relata que, em fevereiro, não foi feita a leitura de seu relógio de energia e, em março, veio a cobrança de dois meses. “Essa sistemática é boa para a Enel, pois quando o valor da conta dobra, eles podem aplicar impostos em dobro. Fizeram isso na rua inteira”, disse o leitor ao Agora.

Resposta

A Enel informa, por meio de sua assessoria de imprensa, que o caso está em análise e o cliente receberá um novo contato nos próximos dias. “Quantas pessoas já foram afetadas por isso e nem perceberam?”, questionou o administrador em novo contato com o Agora.

Carrefour

O aposentado José Carlos Antunes, 64 anos, de Osasco (Grande SP), conta que comprou quatro pneus no site do Carrefour, com entrega para o dia 28 de março. “Até hoje não chegou nada. Tentei contato e apenas disseram que registraram a minha queixa. Não me informaram onde estão os meus pneus e eu paguei com o cartão da própria loja”, diz.

 Resposta Até a conclusão desta edição, o Carrefour não havia se posicionado sobre o assunto. Em novo contato com o Agora, o leitor disse que os pneus chegaram 15 dias depois da data estipulada. “Já tinha pago a primeira parcela da compra”, afirmou.

Net

O ajudante geral Genivaldo Lima dos Santos, 49 anos, da Praia Grande (71 km de SP), reclama que a Net fez um pacote de serviços em seu nome, sem permissão. “Estão me enviando cobranças todos os dias. Não pedi nenhum desses serviços. Agora, querem me colocar no SPC por não aceitar pagar por produtos que não comprei. Ajudem-me, por favor”.

Resposta

A Net informa, por meio de nota, que entrou em contato com o consumidor, solucionou o caso e permanece à disposição. O leitor disse ao Agora que a operadora reconheceu a cobrança indevida e, de acordo com ele, o pacote foi cancelado.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.