Gás encanado sobe até 27% para 1,9 milhão de clientes em SP

Reajuste das tarifas da Comgás é a segunda alta do ano

Patrícia Pasquini

As tarifas de gás encanado da Comgás (Companhia de Gás de São Paulo) ficaram mais caras para 1,9 milhão de pessoas da região metropolitana de São Paulo, da região administrativa de Campinas, Baixada Santista e no Vale do Paraíba.

O aumento, concedido pela Arsesp (Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo), começou a valer no dia 31 de maio, data em que foi publicado no “Diário Oficial” do Estado.

Foi a segunda alta de 2019. O primeiro aumento, ocorrido em fevereiro, havia sido de 11,33% para clientes residenciais.

Segundo a Arsesp e a Comgás, a atualização dos valores no final de maio foi feita com base na reposição da inflação medida pelo IGP-M (Índice Geral de Preços - Mercado), de maio de 2018 a abril de 2019, além de outros custos do setor, como a variação da taxa de câmbio e o preço do petróleo, que tem tido altas no mercado internacional. 

Para os consumidores, porém, o reajuste deve pesar no bolso, já que ficou bem acima da inflação medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), que é considerado o índice oficial do país. Nos últimos 12 meses terminados em abril, o IPCA registrado foi de 4,94%.

Os dados da agência reguladora mostram que as variações nas tarifas são diferentes, conforme o segmento de mercado e o volume de consumo. 

A fatura de uma residência que utiliza gás apenas no fogão, com consumo de 5 m³ mensais, sobe de R$ 29,73 para  R$ 35,44, aumento de R$ 5,71 (+19,21%).

Se, no local, tiver também um aquecedor a gás e a família consumir, por mês, 20 m³ a alta é de 27,12%. Com isso, a conta aumenta de R$ 107,96 para R$ 137,24.

No caso dos pequenos comércios com consumo de 100 m³ por mês, o gasto aumenta de R$ 558,60 para R$ 652,28, o equivalente a uma alta de 16,77%. Nos postos de combustíveis, o aumento médio aprovado para o GNV (Gás Natural Veicular) é de 12,43%.

Fatura mensal 


Valores em R$/ m³ com ICMS


Residência

Só fogão (5 m³/mês)
passou de R$ 29,73 para R$ 35,44
19,21%

Só fogão (10 m³/mês)
passou de R$ 51,94 para R$ 63,44
22,14%

Fogão e aquecedor a gás (20 m³/mês)
de R$ 107,96 para R$ 137,24
27,12%


Comércio


Pequeno (100 m³/mês)
subiu de R$ 558,60 a R$ 652,28
16,77%

Grande (1.000 m³/mês)
de R$ 4.606,62 para R$ 5.360,93
16,37%


Postos 
Gás Natural Veicular
de R$ 1,93 para R$ 2,17
variação de R$ 12,43%


O aumento também é válido para indústria


Fonte: Arsesp (Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo)

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.