Descrição de chapéu Zona Leste

Moradores pintam buracos em ruas da zona leste de São Paulo

Foram feitas várias reclamações desde 2018, mas reparo não foi feito

Leonardo Zvarick
São Paulo

Moradores da zona leste de São Paulo circularam e numeraram vários buracos na rua em protesto contra a demora nos reparos pela Prefeitura de São Paulo, sob gestão Bruno Covas (PSDB). “Se o buraco não foi tapado, é porque provavelmente não foi visto. Decidimos fazer com que vissem todos”, afirmou André Mattos, 29 anos, tutor do programa Vizinhança Solidária no bairro.

A intervenção foi realizada no último dia 17, nas ruas Doutor Ernesto Mariano, Doutor Jorge Ramos e praça Hugo Tambellini, no Parque São Jorge. Em mutirão, os moradores conseguiram localizar 55 buracos grandes nas ruas, que têm extensão somada de aproximadamente 550 metros. “Conseguimos marcar só 53 deles, porque faltou tinta para os dois últimos”, disse Silene Stati, 39, que mora lá há dez anos.

buracos em asfalto pintados de branco e numerados
Buracos no asfalto perto da praça Praça Hugo Tambellini, no Tatuapé, foram numerados por moradores em protesto contra a prefeitura - Rubens Cavallari/Folhapress

A iniciativa partiu de Mattos, que desde julho do ano passado aguarda o atendimento a uma solicitação de tapa-buraco feita ao 156 _a espera já passa dos oito meses. Ao todo, os moradores da região administrada pela subprefeitura da Mooca (que compreende o Parque São Jorge) fizeram 6.905 pedidos do tipo no ano passado, o que corresponde a 7,6% do total das 32 regionais.

O estado ruim do asfalto é algo que incomoda os moradores há muito tempo, diz o dentista Edson Tomé, 58. Ele pondera, no entanto, que a situação se agravou em meados do ano passado, última vez que lembra de ter visto a prefeitura por lá. “O pior de tudo é que quando eles vêm, o serviço é mal feito. Na primeira chuva ou veículo pesado que passa por cima, o remendo é arrancado”, reclama Tomé.

“Por ter muitas empresas próximas e ser uma via que dá acesso à avenida Celso Garcia, passam muitos caminhos e ônibus por aqui”, disse a aposentada Eunice Carneiro, 69, uma das moradoras mais antigas do bairro.

Em 2018, a avenida em questão foi a campeã de reclamações sobre tapa-buracos mal feitos pelo 156. Em toda a capital, foram em média 11 queixas por dia.

Cavalete chama atenção para cratera

Na Vila Prudente (zona leste), um protesto similar ocorreu no último fim de semana. Depois de aguardar mais de 45 dias, prazo máximo estipulado para a realização de serviços solicitados pelo canal 156, moradores da rua das Mimosas decidiram fazer algo para chamar a atenção da prefeitura.

Em frente a uma cratera no meio da rua, na altura do 136, foi posicionado um cavalete de sinalização a motoristas com uma foto do prefeito Bruno Covas (PSDB) e as hashtags #AceleraSãoPaulo, slogan usado pela gestão João Doria (PSDB) enquanto prefeito, e #BuracoNovoVilaPrudente, em referência ao programa Asfalto Novo da Prefeitura.

“Os moradores estão cansados, todas as ruas do bairro têm buracos, praticamente”, disse o estudante Thiago Catalani, de 18 anos, um dos responsáveis pela ação. Ele disse ainda que tem amigos que já sofreram danos em carros devido às falhas na pavimentação. “À noite, um buraco desse tamanho pode até provocar acidentes”.

Saiba como e onde fazer a reclamação

Para pedir conserto em buracos na pavimentação e serviços de zeladoria em geral, a população tem como principal canal o 156 da Prefeitura de São Paulo.

O atendimento é gratuito e pode ser feito por telefone, pessoalmente ou pela internet. Os mesmos canais podem ser usados para acompanhar solicitações.

Na internet, o usuário protocolar um pedido tanto pelo site da prefeitura como pelo aplicativo SP156, disponível para celulares. Há um prazo de 45 dias, teoricamente, para a realização do serviço.

No caso do tapa-buraco, o asfalto velho é removido e toda a área ao redor da falha é preenchida por asfalto novo. O serviço, entretanto, não substitui o recapeamento, necessário em vias muito esburacadas.

A realização do serviço é de responsabilidade das subprefeituras que oferecem atendimento presencial.

Prefeito reconheceu problemas

Em entrevista concedida ao Agora na semana passada, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), admitiu que os serviços de zeladoria realizados pela prefeitura não estão em nível ideal.

Questionado sobre o aumento nos pedidos de tapa-buraco e reclamações de serviço mal feito em sua gestão, ele disse que o atendimento melhorou consideravelmente desde que assumiu. “Em janeiro de 2017, nós tínhamos 567 mil solicitações não atendidas no 156. Em janeiro deste ano, conseguimos baixar para 212 mil”, disse Covas, que espera melhorar ainda mais o serviço até concluir seu mandato.

Em 2018, o número de reclamações referentes a tapa-buracos mal feitos cresceu 122% em relação ao ano anterior.

Resposta

A Prefeitura de São Paulo, gestão Bruno Covas (PSDB), disse por meio de nota que “as vias mencionadas, no bairro do Parque São Jorge, no Tatuapé (zona leste), foram vistoriadas anteontem e já constam da programação do serviço de tapa-buraco”. Os reparos serão executados até o fim da próxima semana, segundo a Subprefeitura da Mooca, responsável pela realização dos serviços.

A prefeitura disse ainda que Subprefeitura Vila Prudente irá vistoriar a rua das Mimosas hoje e que tomará providências “o mais breve possível”. Porém, não informou uma data para o reparo.

A prefeitura não explicou o porquê da demora nos casos citados pela reportagem.

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.