Maior consumo de açúcar na pandemia pode aumentar risco de doenças crônicas

Sinais como dores de cabeça, cansaço, oscilações de humor e inflamações de pele podem ser resultados da ingestão em excesso do carboidrato

São Paulo

Com a pandemia de Covid-19, adolescentes e adultos tiveram uma piora em seus hábitos alimentares. Uma pesquisa da Fiocruz realizada entre abril e setembro de 2020 revelou que o consumo de alimentos não saudáveis aumentou com a pandemia, principalmente de doces e chocolates. Especialistas recomendam atenção à ingestão de açúcar em excesso, que está relacionada a diversos problemas de saúde.

"São alimentos ultraprocessados, de fácil preparo, convenientes e que agradam muito o paladar por terem adição de açúcar, sal, alto teor de gordura. [...] Na pandemia, também notamos problemas de estado de ânimo, pessoas deprimidas, solitárias, o que causou um estímulo para comer doces", explica Célia Landmann Szwarcwald, coordenadora da ConVid, pesquisa da Fiocruz.

A primeira consequência do consumo excessivo de açúcar é o ganho de peso, que aumenta a circunferência abdominal e o risco de desenvolver outras doenças. "Diabetes, hipertensão, esteatose hepática, doenças cardiovasculares, tudo isso aumenta o risco de provocar a síndome metabólica", exemplifica Ricardo Rienzo, médico endocrinologista do Hospital Santa Catarina.

A síndrome é um distúrbio no metabolismo, identificado pela associação entre alguns fatores de risco. Dentre eles, aumento dos triglicérides, pressão alta, aumento da gordura abdominal, níveis altos de colesterol ruim (LDL) e baixos do colesterol bom (HDL).

13.06 - Viva Bem - Açúcar
Ilustração do Viva Bem - Arte Agora SP

O médico reforça que o açúcar presente em refrigerantes, doces, guloseimas e chocolates cria um ciclo. Por possuir alto índice glicêmico, o açúcar eleva a produção de insulina e traz uma queda rápida da glicose, que é seguida de mais fome e vontade de comer doce.

"O chocolate, principalmente, tem muita serotonina, que nada mais é do que o hormônio do prazer. Então, a pessoa associa o prazer a comer o chocolate", complementa Rienzo.

A ingestão exagerada não passa desapercebida pelo corpo humano. "Quando você tem a queda abrupta da glicose no sangue, o corpo pede mais e começa a dar sintomas de mal estar, como dores de cabeça, insônia, oscilação de humor, indisposição", diz a nutricionista do Hospital San Gennaro, Viviane Gomes.

Ela explica que o consumo de açúcar também influencia o paladar, fazendo com que a pessoa rejeite alimentos que não sejam tão doces, e pode trazer inflamações na pele e nas mucosas, como dermatites e aftas.

Para um consumo consciente, é importante reduzir as porções de doces diárias, evitar alimentos ultraprocessados, dar preferência aos alimentos in natura e procurar cozinhar as próprias refeições, o que faz com que seja possível adicionar menos açúcar no preparo.

"Uma dica que dou para os meus pacientes que querem saber se estão comendo muito doce é um diário alimentar. Anotar todos os dias o quanto de açúcar está consumindo, se beliscou um doce, adoçou bebida... É um jeito de sabermos se o consumo está muito acima do normal ou não", conta Rienzo.

Açúcar em excesso prejudica saúde bucal

Além do risco de desenvolver doenças crônicas, o açúcar em grandes quantidades afeta diretamente a saúde da boca, porta de entrada dos alimentos que consumimos. "O fator principal do desenvolvimento da cárie é o consumo exagerado de açúcar", explica Sandra Kalil Bussadori, cirurgiã-dentista e conselheira no Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (CROSP).

A cárie é uma desmineralização do dente, que faz com que o dente vá perdendo sua estrutura, o que causa dor e pode se agravar, se não houver tratamento adequado.

"Para os nossos dentes, interfere muito também a consistência dos alimentos, por conta do açúcar aderir mais no dente ou não. Recheios de biscoito recheados e balas grudentas vão aderir de forma diferente no dente que uma maçã, por exemplo. Além de serem açúcares digeridos diferentemente pelas bactérias", esclarece Juliana Fanaro, cirurgiã-dentista da ONG Por1Sorriso.

Além da redução do consumo, a escovação dos dentes tem papel essencial para evitar maiores problemas bucais. "A escovação deve ser feita após cerca de dez minutos das refeições e o fio dental deve ser usado em todos os dentes, mesmo aqueles em que há um espaço menor entre um e outro", reforça Fanaro.

Especialistas recomendam que o açúcar não faça parte da alimentação de crianças menores de dois anos e alertam pais para a presença de açúcar em alimentos ultraprocessados. "Muitos procutos têm açúcar escondido, como iogurtes, bolachas, inclusive bolachas salgadas", diz a cirurgiã-dentista do CROSP.

Saiba mais | O açúcar e a saúde

O consumo recomendado de açúcar é de até 25 gramas por dia, o que equivale a mais ou menos 6 colheres de chá de açúcar

O brasileiro consome três vezes a quantidade recomendada diariamente (cerca de 80 gramas por dia)

Os açúcares presentes em doces, chocolates, refrigerantes e guloseimas são carboidratos simples, ou seja, têm alto índice glicêmico e são rapidamente digeridos, gerando um pico de glicemia no organismo.

Em seguida, o corpo responde com um alto nível de insulina e o excesso de carboidratos é armazenado como gordura. Também são liberados, nesse processo, hormônios do prazer como a dopamina e a serotonina.

Dados da pesquisa da Fiocruz sobre comportamento antes e depois da pandemia:

Entre adolescentes, aumento de 4% no consumo de doces e chocolates em dois ou mais dias da semana (de 48% para 52%)

Entre adultos, aumento de 6% no consumo de doces e chocolates em dois ou mais dias na semana (de 41% para 47%)

Entre adultos, queda de 4% no consumo de verduras/legumes cinco ou mais vezes na semana (de 37% para 33%)

Sinais do consumo em excesso de açúcar:

  • Cansaço
  • Fadiga
  • Indisposição
  • Vontade crescente de doce
  • Oscilação de humor
  • Dores de cabeça
  • Mudança de paladar (rejeitar alimentos que não sejam tão doces)
  • Inflamações na pele e nas mucosas (dermatite, espinhas, aftas)

Consequências da ingestão exagerada:

  • Cáries
  • Ganho de peso/obesidade
  • Diabetes
  • Hipertensão
  • Esteatose hepática (acúmulo de gordura no fígado)
  • Doenças cardiovasculares

Dicas para controlar o consumo e manter a saúde em dia:

  • Evitar o consumo de alimentos ultraprocessados
  • Dar preferência a ingredientes e alimentos in natura
  • Reduzir gradativamente o consumo de açúcar nas preparações
  • Preparar as próprias refeições
  • Escolher chocolates com maior concentração de cacau (ex: 70%)
  • Adicionar frutas desidratadas e oleaginosas na rotina alimentar
  • Consumir fibras com frequência
  • Escovar os dentes após as refeições e usar fio dental sempre
  • Evitar o consumo de açúcar em crianças menores de dois anos

Fontes: ConVid - Pesquisa de Comportamento da Fundação Oswaldo Cruz; Juliana Fanaro, cirurgiã-dentista da ONG Por1Sorriso; Ricardo Rienzo, médico endocrinologista do Hospital Santa Catarina; Sandra Kalil Bussadori, cirurgiã-dentista e conselheira no CROSP (Conselho Regional de Odontologia de São Paulo); e Viviane Gomes, nutricionista do Hospital San Gennaro.

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.