São Paulo pode parar

O governador João Doria (PSDB) exagerou no discurso ao ameaçar mandar a PM prender cidadãos que violarem a quarentena e resistirem à determinação dos agentes para se recolher.

É verdade que preocupa o fato de muitos paulistas terem retomado suas atividades. Com menos de 50% de adesão ao isolamento, é possível que faltem leitos para doentes graves no estado. Mas isso não justifica pôr pessoas na cadeia.

A lei da admite uso de força policial, mas essa não deve ser a principal estratégia. A tarefa não se exerce só com repressão e violência. Antes vêm prevenção, orientação e convencimento.

Só fará sentido o uso policial se e quando o chamado "lockdown" (paralisação completa) for inevitável, para verificar se a pessoa encontrada na rua tem autorização para tanto. O desobediente até poderia ser levado a uma delegacia, mas o castigo poderia parar por aí.

Antes de baixar essa medida extrema, o governador precisaria explicar com mais transparência quais são os dados que servem de base para adotá-la. Agindo assim, Doria vira presa fácil do discurso demagógico do presidente Jair Bolsonaro contra o distanciamento social.

A confusão se estende ao caso da cloroquina. O médico David Uip, no comando estadual da crise, se recusou a dizer se tomou o medicamento em sua recuperação da Covid-19.

Ao optar pelo segredo, repetiu a atitude de Bolsonaro de omitir os resultados de seus testes de coronavírus. Se o governo tucano quer se contrapor ao presidente e seguir na conduta correta, deveria esclarecer se a prescrição ocorreu e em quais circunstâncias. Caso contrário, só alimentará a desconfiança de quem começa a se arriscar nas ruas.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.