Descrição de chapéu Opinião

Caneladas do Vitão: Sábado à noite não é dia nem hora para um clássico!

Vitor Guedes
São Paulo

Todo mundo espera alguma coisa de um sábado à noite, bem no fundo todo mundo quer zoar... Alô, povão, agora é fé! Desde a importação e implementação do colonizado, interminável e chatíssimo sistema de pontozzz corridozzz, em 2003, que, paulatinamente, a quarta-feira virou o verdadeiro domingo do futebol brasileiro, com os grandes jogos decisivos e as finais dos mata-matas mais importantes sendo disputadas nos meios de semana…

Mas como nada é tão ruim que não possa piorar, a novidade agora é que o tradicionalíssimo domingo à tarde está sendo goleado até pelo sábado à noite… É o fim do mundo!

Palmeirense Marcos Rocha enfrenta o santista Cueva num sábado à noite pelo Paulistão; os times voltam a se enfrentar neste sábado (18)
Palmeirense Marcos Rocha enfrenta o santista Cueva num sábado à noite pelo Paulistão; os times voltam a se enfrentar neste sábado (18) - Ivan Storti - 23.fev.19/Santos FC/Divulgação

Mais uma vez, o grande jogo envolvendo paulistas na rodada do Brasileiro, entre líder e vice-líder, será no exótico horário das 19h de sábado! É isso mesmo! Palmeiras e Santos, que deveria ser domingo à tarde, logo depois do macarrão da mamma ou da nonna, será sabadão, no mesmo horário do clássico Atlético-MG x Flamengo: é o armagedon!

É óbvio que a data e o horário não são os únicos problemas —a imbecil torcida única é o apocalipse now redux coming soon—, o calendário brasileiro tem problemas muito mais sérios, como o absurdo desrespeito às datas Fifa, o nível técnico das partidas —em todos os dias e horários— é paupérrimo. Mas clássico, seja na TV aberta, TV fechada, pay-per-view, radinho ou sinal de fumaça, é domingo à tarde!

Dito isso, o Palmeiras, que tem desempenho muito fraco em clássicos na temporada, descansou a semana inteira e tem uma grande chance de dar uma alegria à torcida que canta, vibra e corneta. E o Santos de mostrar que não é fogo de palha!

Forza, Palestra!

Dá-lhe, Peixe!

Boselli, você não está jogado absolutamente nada. Sei não, mas, além de treinar mais, insistir, poderia consultar uma benzedeira, numeróloga e, quem sabe, mudar o número… O 17 não está dando sorte, talkey?!

Nelson Rodrigues: “O sábado é uma ilusão”.

Eu sou o Vitor Guedes e tenho um nome a zelar. E zelar, claro, vem de ZL. É tudo nosso! É nóis na banca!

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.