Fulminante, Peixe derrota o Verdão no clássico na Vila

Com gols de Gustavo Henrique e Marinho, Santos volta à segunda colocação

Luís André Rosa
São Paulo

No primeiro duelo entre o argentino Jorge Sampaoli e o brasileiro Mano Menezes, o primeiro deu um nó tático no colega de profissão e venceu, por 2 a 0, o clássico disputado nesta quarta-feira (9), na Vila Belmiro.

Com a terceira vitória consecutiva, o Peixe alcança o Verdão, com 47 pontos. Os santistas, no critério de desempate número de vitórias (14 a 13), reassumem a segunda colocação.

Em sua oitava partida à frente do Alviverde, Mano Menezes perde o primeiro confronto. Após cinco vitórias seguidas, o comandante vinha de dois empates.

Gustavo Henrique comemora o primeiro gol do Santos sobre o Palmeiras
Gustavo Henrique comemora o primeiro gol do Santos sobre o Palmeiras; zagueiro faz de cabeça sem ser incomodado pela marcação do adversário. - Ivan Storti/Santos FC

Porém, o maior beneficiado com o resultado é o Flamengo, que, no mínimo, ficará com cinco pontos de vantagem na liderança. Caso vença o Atlético-MG, nesta quinta-feira (10), no estádio do Maracanã, o Rubro-negro abrirá oito. 

Elenco por elenco é indiscutível que o material humano do Palmeiras oferece mais recursos ao seu treinador, tanto que a equipe escalada é a base do time que foi campeão brasileiro no ano passado.
O fator que desequilibrou o clássico é Jorge Sampaoli. Em sua 51ª partida à frente do Santos, o treinador argentino escalou a 49ª formação diferente. E isso é saber utilizar os jogadores em situações distintas.

Do começo ao fim, as rotações das duas equipes foram completamente diferentes. Com a marcação alta, desde a intermediária da defesa palmeirense, o Santos sufocou o oponente.
Para quem tentou implantar um time como mais toque de bola, Mano ficou desesperado ao ver os seus jogadores dando chutões.

A apatia do visitante foi escancarada no primeiro gol. Gustavo Henrique não teve nenhuma dificuldade para, aos 12min, concluir de cabeça e abrir o placar.

Cinco minutos depois, no rebote do goleiro Jailson, Marinho aproveitou e mandou a bola para as redes, mas só pôde comemorar após a confirmação pelo árbitro de vídeo.

Por mais que Sampaoli insistisse para que os seus atletas não diminuíssem o ritmo, principalmente na segunda etapa, eles se deram por satisfeitos e controlaram o jogo à vontade.

O descontrole emocional do Alviverde foi escancarado na expulsão de Willian e na bronca de Mano em Gustavo Scarpa no banco.

Com o coro de olé dos torcedores, os santistas tocaram a bola e irritaram os palmeirenses. Para evitar confusão, o juiz Flávio Rodrigues de Souza encerrou o jogo sem dar os acréscimos.

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.