Descrição de chapéu Opinião

Caneladas do Vitão: Barroca já e Tiago Nunes em 2020 são boas opções no Timão

Vitor Guedes
São Paulo

Vamos lá, rapaziada, tá na hora da virada... Alô, povão, agora é fé! O Corinthians, expulso do G-6 ainda sob o “comando” de Fábio Carille, tem problemas financeiros e oito jogos para disputar na tentativa de se qualificar para a (pré-pré) Libertadores 2020 e, aí, traçar como armar o elenco para o próximo ano.

Nesse contexto de incertezas e dificuldades, eu traria Eduardo Barroca para terminar este Campeonato Brasileiro e, no ano que vem, apostaria em Tiago Nunes. E manteria Barroca, que era técnico da base corinthiana e fez um bom trabalho no Botafogo (com muito menos qualidade do que Fábio Carille tinha à disposição) na nova comissão técnica, como auxiliar, para ser o que o próprio Carille foi de Mano e Tite por uma década.

O técnico Tiago Nunes
Campeão da Copa do Brasil e da Copa Sul-Americana com o Athetico-PR, o técnico Tiago Nunes é o nome preferido da diretoria do Corinthians para substituir Fábio Carille - Itamar Aguiar - 18.set.19/AFP

Não é fácil treinar o Corinthians. Osmar Loss, com currículo vitorioso na base, não aguentou a bucha. E tem muitos outros exemplos. Mas é inegável que Barroca mostrou, na base e no profissional botafoguenses —até mais que nos juniores corinthianos—, que entende da bagaça. E consegue pensar o futebol com troca de passes, ataque, posse, características que o Corinthians, mais do que abrir mão, mostrou ter desaprendido quando necessário.

Nada contra ter uma escola e uma fórmula do jogo. Foi com ela (com muitas variações e momentos melhores —2012 e 2015— do que outros) que o Corinthians de Tite, de Mano e de Carille venceu tudo que disputou, inclusive a América e o mundo, ambos de forma invicta. Mas ter variação e saber atacar é uma necessidade.

E, com Barroca agora, e, com Tiago Nunes (ótimo nome, preferido da direção para 2020) auxiliado por Barroca no ano que vem, o Corinthians poderia iniciar uma reformulação no elenco, na forma de jogo e na vontade de atacar. “Equilíbrio”, ao contrário do que pregam retranqueiros, pressupõe atacar, não apenas se defender.
 

Charles Bukowski: “Não há nada que ensine mais do que se reorganizar depois do fracasso e seguir em frente”.
Eu sou o Vitor Guedes e tenho um nome a zelar. E zelar, claro, vem de ZL. É tudo nosso! É nóis na banca!

Vitor Guedes
Vitor Guedes

42 anos, é ZL, jornalista formado e pós-graduado pela Universidade Metodista de São Paulo, comentarista esportivo, equilibrado e pai do Basílio

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.