Descrição de chapéu Opinião

Caneladas do Vitão: Igualdade no San-São não é boa para ninguém

São Paulo

Somos todos iguais nesta noite, na frieza de um riso pintado, na certeza de um sonho acabado... Alô, povão, agora é fé! Santos, muito melhor no primeiro tempo, e São Paulo, melhor no segundo, mereceram o 1 a 1, resultado que impediu o Peixe de assumir, provisoriamente, a vice-liderança e não impediu que o Tricolor chutasse o tabu de mil dias sem vitória como visitante em clássicos.

Victor Ferraz e Vitor Bueno vão ao chão em jogo que não teve resultado bom para ninguém - Rahel Patrasso/Reuters

Com o lento Jucilei na cabeça de área e abusando de saídas de jogo perigosas, o São Paulo foi completamente envolvido no primeiro tempo.

O gol anotado por Carlos Sánchez, convertendo pênalti claro e cretino cometido por Arboleda em Evandro, ficou barato na etapa inicial para o Tricolor… O próprio Sánchez (no que seria uma pintura) e Evandro perderam ótimas chances de matar o jogo já na etapa inicial.

No segundo tempo, com Liziero no lugar de Jucilei, o São Paulo voltou melhor. E, na resposta de um gol perdido por Sasha graças à intervenção de Tiago Volpi, Daniel Alves igualou, 1 a 1. A partir daí, o São Paulo foi superior e, apesar de uma pressão final dos mandantes, esteve mais perto da vitória.

Se empatar na Vila não é ruim, como a equipe vinha de duas derrotas como mandante, não dá para festejar muito. E o Peixe adiou a chancela matemática da classificação à fase de grupos da próxima Libertadores.

Não foi a primeira vez que o Santos saiu na frente e cedeu a igualdade em um San-São na Vila. Resultado normal. O que não será apagado da história é que o clube, em dia em que sua camisa combatia o racismo, recebeu e deu palanque ao presidente Jair Bolsonaro, chamado de “mito” e aplaudido por parte da torcida peixeira, especialmente o setor das cativas.

O treinador Jorge Sampaoli, registre-se, deixou bastante claro à diretoria que não aprovou a subserviente e complacente iniciativa no estádio da Vila Belmiro. Parabéns, Sampaoli!

Nelson Rodrigues: “A plateia só é respeitosa quando não está a entender nada”.
Eu sou o Vitor Guedes e tenho um nome a zelar. E zelar, claro, vem de ZL. É tudo nosso! É nóis na banca!

Vitor Guedes
Vitor Guedes

42 anos, é ZL, jornalista formado e pós-graduado pela Universidade Metodista de São Paulo, comentarista esportivo, equilibrado e pai do Basílio

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.