Descrição de chapéu Opinião

A bola é um detalhe: Até Guardiola se adapta

Catalão mostra humildade que treinadores bem menos consagrados não conhecem

São Paulo

Foi Pep Guardiola, em grande parte, o responsável pela tara da posse de bola que ganhou corpo no futebol na década passada. O Barcelona do treinador trocava passes à exaustão, aguardando o momento do bote, fórmula de sucesso repetida sem sucesso em vários times do mundo.

No Brasil, que adora um produto pirata, logo surgiram as cópias mal-acabadas. Houve técnicos que estabeleceram metas de passes nas partidas, como se a posse de bola fosse o fim, não o meio para a estatística que importa: o placar.

Depois de marcar época no Barcelona, Guardiola passou pelo Bayern e chegou ao Manchester City, sempre fiel ao seu estilo. Colecionou resultados bons e outros nem tanto sem deixar de ser uma referência do futebol bem jogado.

Guardiola gosta de ver seus times com a bola, mas abriu mão disso para colocar o Manchester City na final da Liga dos Campeões - Phil Noble - 4.mai.21/Reuters

Com orçamentos altíssimos para montar elencos de qualidade técnica elevada, o catalão resistiu à queda da posse de bola como um dogma. Diversas equipes nos últimos anos experimentaram a glória apostando na velocidade, nos contra-ataques, como a França campeã do mundo de 2018.

Guardiola continuou valorizando a bola, mas é um treinador inteligente, não um maníaco preso a uma fórmula. Ao conduzir o City à sua primeira final de Liga dos Campeões, por exemplo, adotou cuidados defensivos maiores do que os exibidos em outros momentos.

Para avançar à decisão, encarnou uma espécie de anti-Guardiola e deu a posse de bola ao Paris Saint-Germain na semifinal. Se era o contragolpe que queriam os franceses, o City marcou no campo de defesa e tirou do adversário a oportunidade de usar a velocidade.

Quem se mostrou letal em ataques rápidos foi o time inglês, que foi à final em uma partida na qual teve 45% da posse. E esse número foi inflado na parte derradeira do duelo, quando ele estava decidido e o PSG tinha um atleta a menos.

Até Guardiola, arquiteto de uma fórmula comprovadamente eficaz, abre mão dela se julga conveniente. Técnicos com ideias bem mais questionáveis e sucesso bem menor, não.

Marcos Guedes
Marcos Guedes

33 anos, é jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e, como o homenageado deste espaço, Nelson Rodrigues, acha que há muito mais no jogo do que a bola, "um ínfimo, um ridículo detalhe". E-mail: marcos.guedes@grupofolha.com.br

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.