Quilo do tomate passa de R$ 10 na capital

Consumidor deve começar a perceber queda nos preços a partir de maio

Patrícia Pasquini Cristiane Gercina
São Paulo

O preço do tomate voltou a pressionar o orçamento das famílias. Com uma alta de 31,84% somente no mês de março, segundo a inflação medida pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Es­tatística), o produto já passa de R$ 10 nos supermercados da capital e exige malabaris­mos do consumidor.

A dona de casa Zenaide Ri­co Citadini, 58 anos, da Bela Vista (região central), conta que, há uma semana, che­gou a encontrar o quilo do tomate por R$ 4 em um su­permercado da região. Ela aposta na pesquisa de preços para escapar da alta. “Hoje, está por R$ 10,99. Eu pes­quiso até encontrar um bom preço.”

Nos restaurantes, a solução tem sido inovar: re­duzir a quantidade e oferecer alguma compensação. No Arimbá, em Perdizes (zona oeste), a proprietária Angelita Gonzaga, 52, en­controu um jeito de não              de­sagradar o cliente e nem ter prejuízo.

“Diminuo um pou­co o tomate da receita e acrescento um outro vegetal. Se fosse repassar o aumento
para o consumidor final, os preços dos pratos estariam 10% mais caros. Se você re­passa, perde o cliente”, diz.

Segundo o coordenador do IPC, da Fipe (Fundação Insti­tuto de Pesquisas Econômi­cas), Guilherme Moreira, es­sas variações de preço no co­meço do ano são esperadas.

“Verão e calor trazem muita chuva. A boa notícia é que a tendência é de queda. No mês que vem, o tomate deve chegar mais barato aos con­sumidores”, explica.

O pesquisador João Paulo Deleo, do Cepea/USP, diz que o recuo nos preços começa em maio para o consumidor.

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.