Descrição de chapéu Defesa do Cidadão

Espera por vaga em creche já dura 9 meses em SP

Leitora reclama que não consegue trabalhar enquanto rede municipal não conceder vaga para sua filha na zona norte de SP

Laíssa Barros
São Paulo

A desempregada Ana Caroline Souza Santos, 28 anos, do Jardim Portal 1 e 2 (zona norte), diz que está, desde janeiro deste ano, aguardando vaga para sua filha em uma creche da rede municipal de São Paulo perto de sua casa.

“Fiz o pedido no começo do ano e, até agora, final de setembro, não obtive nenhuma resposta, queixa-se. 
De acordo com a leitora, enquanto a vaga não sair, ele não tem condições de procurar um emprego. 

Desempregada, Ane Caroline Souza Santos, 28 anos, mora no Jardim Portal 1 e 2 e tenta uma vaga para a filha de 1 ano e meio: “Sei que a fila é grande, mas já se passaram nove meses e ainda não resolveram isso”, reclama  - Martha Salomão/Folhapress

“A situação está muito difícil, preciso trabalhar, mas não tenho com quem deixar a minha filha de um ano meio. Com a creche tudo melhoraria e isso seria resolvido da melhor forma”, afirma a leitora. 

Ana diz que nesses meses todos entrou em contato com vários canais de comunicação da prefeitura, mas não conseguiu a tão esperada vaga. 

“É difícil precisar do poder público e não poder contar. Sei que a fila é grande, mas já se passaram nove meses e não resolveram isso. Por isso, conto com a ajuda do Defesa do Cidadão. Essa vaga representaria muito para mim. Como não me respondem corretamente, espero que para vocês falem algo”, diz a leitora.

Secretaria diz que há opções

A Secretaria Municipal de Educação informa que a criança está cadastrada em duas creches localizadas até 1,5 quilômetros de sua casa e que foi oferecida à leitora a possibilidade de ampliação da grade ou inclusão de endereço opcional para concorrer em outra região de interesse. A responsável informou que não deseja nenhuma das opções. As chamadas são feitas via sistema informatizado, seguindo data de cadastro.

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.