Descrição de chapéu Defesa do Cidadão

Leitor reclama de praça abandonada em Cidade Ademar

Morador da zona sul diz que local é uma das poucas áreas de lazer da região, mas critica falta de zeladoria da prefeitura

Laíssa Barros
São Paulo

O aposentado José Domingos Félix, 58 anos, morador da Cidade Ademar (zona sul), reclama que uma praça na avenida Celso dos Santos , no mesmo bairro, está abandonada pela Prefeitura de São Paulo. 
“Aquela local é uma das poucas áreas de lazer da região, mas precisa ser reformado e cuidado pelo serviço público”, afirma o aposentado. 

Segundo o aposentado, antigamente a praça era frequentada por crianças, jovens e idosos, mas hoje está vazia e abandonada. 

“Vinha todo mundo passear, brincar e praticar esportes. Mas, depois que o local ficou negligenciado pela prefeitura, as pessoas pararam de frequentar. Os brinquedos estão enferrujados, o mato tomou conta do entorno da e a quadra está toda quebrada”, diz. 

“O espaço tem vocação para receber muito bem os moradores do bairro. Todos sentem falta. Queremos uma reforma com pintura, conserto das partes quebradas e a jardinagem regular da praça”, diz. 

O aposentado afirma que protocolou diversos pedidos na prefeitura, mas, mesmo assim, o local não recebeu nenhuma visita das equipes de zeladoria municipal nos últimos meses. 

“Peço a ajuda do Agora para resolver esse problema. Se a prefeitura pudesse ouvir essa reclamação por meio de vocês e realizar os serviços, seria motivo de felicidade para muitas pessoas”, diz o aposentado. 

Subprefeitura fará vistoria

Por nota, enviada por assessoria de imprensa, a Subprefeitura Cidade Ademar informa realizará vistoria no local.

Em novo contato com o Defesa do Cidadão, o leitor Félix afirmou que aguardará a vistoria, além de esperar que os reparos e as reformas sejam feitos na praça. 

“O poder público precisa olhar também para o lazer e a zeladoria da cidade. Um lugar cheio de potencial fica jogado às traças”, diz. 

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.