Descrição de chapéu Defesa do Cidadão

Paciente aguarda exame desde 2017; veja outras reclamações

Dona de casa diz que precisa fazer polissonografia para confirmar apneia

Havolene Valinhos
São Paulo

A dona de casa Eunice de França Nazaré, 68 anos, da Vila Sílvia, Penha (zona leste), conta que, desde dezembro de 2017, está na fila de espera para que a UBS (Unidade Básica de Saúde) AE Carvalho agende um exame de polissonografia. 

 Fachada da UBS AE Carvalho, na zona leste
Fachada da UBS AE Carvalho, na zona leste - Rivaldo Gomes/Folhapress 16 Fev.2018

A leitora relata que, em 2017, passou em consulta com o otorrino na unidade básica e o especialista solicitou o exame para confirmar a suspeita de apneia. 

 
“Tenho problemas de sono e esse exame pode definir um diagnóstico. Preciso melhorar a minha qualidade de vida. Me sinto muito cansada durante o dia”, diz.

“Estou exausta de tanto esperar. Nunca me chamaram. Aliás, um ano após a primeira consulta, chegaram a ligar da UBS, perguntando se eu ainda tinha interesse em fazer o exame, respondi que sim, mas apenas disseram que não havia vaga e nada de marcarem o exame até agora”, afirma a leitora ao Agora.

“Preciso fazer a polissonagrafia o quanto antes. Peço a intervenção do Defesa do Cidadão para resolver isso de maneira definitiva”, diz a dona de casa. 

Secretaria Municipal de Saúde
(11) 3397-2000

Usuária terá que esperar agendamento

A Coordenadoria Regional de Saúde Sudeste informa que a paciente tem três consultas de retorno agendadas para este mês, sendo uma delas a reavaliação em otorrinolaringologia. Com relação ao exame solicitado, ela aguarda agendamento pelo Siga (Sistema Integrado de Gestão de Atendimento), seguindo ordem cronológica e de prioridade.

_________________________________________________________________________________________

Veja outras reclamações

TIM

O aposentado Benedito Pedro da Silva, 75 anos, de São Miguel Paulista (zona leste), afirma que está tentando fazer o cancelamento do débito automático da TIM em seu cartão de crédito, mas reclama que não é atendido pela central da operadora. “Não utilizo essa linha há muito tempo e o desconto continua sendo feito”, diz. 

Resposta

A TIM informa, por meio de nota, que a linha foi cancelada e as cobranças se referem ao período de utilização anterior ao cancelamento.

Crefisa

A dona de casa Doralice de Paula, 63 anos, do Horto Florestal (zona norte), conta que fez um empréstimo em 2018, no valor de de R$ 230, para pagar em 12 parcelas de R$ 45. Porém, entrou em contato com a financeira e foi informada de que o pagamento terminará em setembro de 2020. “Isso é um absurdo, eu acredito que já paguei por esse empréstimo, mas não tenho como confirmar, pois sou deficiente visual.” 

Resposta

A Crefisa informa, por meio de sua assessoria, que entrou em contato com a consumidora e ela aceitou acordo. Ao Agora a leitora confirmou a informação. 

Caixa

O aposentado por invalidez Fiodor Duarte diz que está tentando receber seu PIS, mas a Caixa não libera. “Não querem pagar, só enrolam. Vou à minha agência e apenas dizem para esperar para solucionar o problema em cinco dias úteis.” 

Resposta

A Caixa informa que há registro de saque total das cotas pelo motivo aposentadoria. Não havendo mais valores em seu saldo, o leitor não faz jus aos rendimentos anuais. Caso não reconheça o saque, a orientação da Caixa é para que compareça a uma agência e apresente documento de identificação para formalizar a contestação.

FMU

Edi Costa Aguiar, 59 anos, da Vila Rosaria (zona leste), afirma que se matriculou na faculdade FMU, porém, na mesma semana, sofreu um acidente. "Liguei  para a universidade e solicitei o cancelamento do curso. Após dois anos, descobri que colocaram o meu nome nos órgãos de proteção ao crédito. É um absurdo."

Resposta 

A FMU informa, em nota, que débitos pendentes em nome do estudante foram cancelados e o seu CPF retirado das bases de cobrança e restrição.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.