Carne mais cara já provoca alta no preço do frango

Substituição da proteína bovina tem reflexo na inflação de outros itens

São Paulo

A disparada no preço da carne bovina já é refletida na inflação de outras fontes de proteína, como o frango, indicam dados do IPC-S (Índice de Preços ao Consumidor - Semanal) medido pelo FGV Ibre (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas).

Na capital paulista, a inflação do frango inteiro fechou novembro com alta de 1,34%. Na medição divulgada uma semana antes, a alta acumulada em um mês era de 0,78%. Ou seja, o aumento mensal acumulado no valor do produto quase dobrou entre as pesquisas realizadas no intervalo de uma semana.

A alta no preço indica que a população optou por aumentar o consumo de frango para substituir a carne bovina, cujo preço mensal acumulado em São Paulo subiu de 5,92% para 11,22% entre a penúltima e a última semana de novembro, afirma o coordenador do IPC do FGV Ibre, André Braz.

"O frango é o produto que tem a preferência do consumidor para a substituição da proteína bovina", diz Braz.

"Apesar de também estar sofrendo um processo de inflação, a ave é um alimento mais barato e isso permite às famílias atingir o seu objetivo principal, que é ter comida no prato, mantendo o equilíbrio do orçamento", comenta.

Além do aumento da procura no mercado interno, a demanda externa pelas aves produzidas no Brasil tem contribuído para a elevação dos preços -efeito semelhante ao observado na carne bovina.

A principal causa da demanda externa foi o extermínio de 40% do rebanho suíno na China devido à peste africana, o que levou o país a buscar outras proteínas.

A Apas (Associação Paulista de Supermercados) informou que ainda avalia o impacto da alta da carne em outros alimentos. 

O Ministério da Agricultura afirma que o preço da carne vai baixar e se estabilizar, mas provavelmente não chegará aos patamares verificados antes da alta. A pasta diz que não haverá desabastecimento.

INFLAÇÃO DOS ALIMENTOS | CARNES EM ALTA

  • Comer frango e ovos é uma alternativa para evitar a alta da carne 
  • Mas os preços desses alimentos também estão avançando rápido 

Confira a variação

  • O dados do IPC-S da FGV mostram, a cada semana, quanto os produtos subiram em um intervalo de quatro semanas (quadrissemanas)
  • A comparação entre a terceira e a quarta quadrissemana de novembro indicam disparada de alguns preços em apenas uma semana: 
  Em novembro Neste ano
  (3ª quadrissemana)  (4ª quadrissemana) (janeiro a novembro)
Carne bovina 5,92% 11,22 % 15,57 %
Frango inteiro 0,78 % 1,34 % 4,19 %
Carne suína 1,79 % 3,8 % 10,21 %
Ovos 1,42 % 1,08 % 9,96 %

CORTES BOVINOS

Entre os cortes bovinos, alguns apresentam maior elevação no preço neste ano:

Cortes Variação em novembro
Contrafilé 13,58%
Alcatra 13,22%
Coxão mole 11,92 %
Patinho 10,36 %
Costela 10,19 %
Acem  10,04 %
Filé mignon 9,37 %

Por que ficou mais caro

Influência externa

  1. A China teve 40% do seu rebanho suíno exterminado pela peste africana
  2. O país passou a importar mais carne bovina, especialmente do Brasil 
  3. Segundo a Abrafrigo (Associação Brasileira de Frigoríficos), pelo menos outros cinco países estão comprando mais carne brasileira: Rússia, Emirados Árabes, Turquia, Filipinas e Uruguai

Influência interna

  1. O rebanho brasileiro não cresceu em 2019 como nos anos anteriores e novembro é um período de menor oferta de gado
  2. O dólar aumentou, deixando o preço da carne mais atrativo para os países que compram na moeda norte-americana e mais caro para o mercado brasileiro
  3. As festas de final de ano elevam o consumo de carne, o que encarece o produto
Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.