Honda muda o visual do Civic e cria nova versão de entrada

Sedã não é mais oferecido com câmbio manual, mas tem seis airbags de série

Fernando Pedroso
São Paulo

A Honda se prepara para enfrentar a nova geração do Toyota Corolla deixando a linha 2020 do Civic mais competitiva. Para isso, fez mudanças pontuais no visual do sedã, criou nova versão de entrada e recheou o sedã de equipamentos.

No visual, o Civic usa muitos detalhes da reestilização feita na versão americana, com detalhes cromados nos para-choques e na grade. Só na Sport, que as peças prateadas são pintadas de preto. Por dentro nada muda além dos revestimento, que pode ser preto ou cinza, dependendo da cor da carroceria.

A nova configuração é a LX, única abaixo dos R$ 100 mil. Por R$ 97.900, já traz itens como controles de tração e de estabilidade, seis airbags, ar-condicionado digital e câmbio CVT. A transmissão manual deixa de ser oferecida. O Civic era o único sedã médio com esse tipo de câmbio.

A versão Sport, que até então era a mais barata, agora custa R$ 104.100. A partir dela, todas as configurações já passam a contar com central multimídia de 7" com suporte para Android Auto e Apple Carplay e câmera de ré. No visual, além das peças pretas, tem um pequeno aerofólio sobre a tampa do porta-malas.

A EX (R$ 107.600) tem sistema de áudio com oito alto-falantes, bancos em couro e retrovisor interno fotocrômico (que regula a intensidade dos reflexos automaticamente). Depois vem a EXL, de R$ 112.600, que acrescenta chave presencial e saídas de ar para o banco traseiro.

Todas essas configurações usam o motor 2.0 flex de até 155 cv de potência, sempre acompanhado do câmbio CVT (sem trocas). Apenas a versão Touring, a mais cara (R$ 134.900), que adota o 1.5 turbo de 173 cv. Além da motor mais potente, ganha carregador de celular sem fio, sistema de som premium e ajuste elétrico do banco do motorista.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.