AMA de lata na zona sul de SP tem buraco no chão e balança

Técnica de enfermagem caiu em vão aberto na sala que faz agendamento para gestantes no posto

Elaine Granconato
São Paulo

A AMA (Assistência Médica Ambulatorial) Americanópolis, na região do Jabaquara, zona sul, está com o piso cedendo. Ela foi construída em uma estrutura metálica e entregue há 11 anos ainda na gestão do prefeito Gilberto Kassab (PSD, na época no DEM).

Há 20 dias, uma técnica de enfermagem foi lavar as mãos na unidade, após atendimento a uma gestante, quando parte do piso em madeira revestido com vinílico se abriu e sua perna esquerda afundou no vão.

Com o impacto, a funcionária ainda bateu o cotovelo esquerdo na pia da sala onde é feito o agendamento das gestantes inscritas no Mãe Paulistana, programa de acompanhamento das consultas de pré-natal.

Desde então, os profissionais de saúde começaram a demarcar com fitas vermelhas os pontos vulneráveis no piso, tais como, no corredor em frente aos armários de ferro deles e na área do acidente. Na sala do raio-X também foram colados adesivos logo na entrada. 

Buraco aberto na AMA de Americanópolis, na região do Jabaquara (zona sul), onde técnica de enfermagem caiu - Reprodução

Além da AMA, funciona uma UBS (Unidade Básica de Saúde) em alvenaria no mesmo terreno que abrigou no passado um campo de futebol, hoje aterrado. Os usuários têm livre acesso de um local para outro, com os serviços integrados.

Integrante da comissão de reformas de unidades do Conselho de Supervisão de Saúde (Jabaquara-Vila Mariana), João Batista Mariano foi ao local, após ser acionado por conselheiros de saúde sobre o ocorrido e para verificar a condição física do imóvel.

"É um descaso total. Desde 2008, manter uma unidade de lata, quente no calor e gelada no inverno. A gente caminha apalpando com o pé o piso, que está afundando", afirma Mariano, que faz parte do Movimento Popular de Saúde.

A sensação é a mesma de uma usuária de 22 anos, mãe de menina de 4 anos, que foi ao posto médico. "A gente entra na recepção e já sente balançar. Parece que está oco", aponta a jovem, que frequenta a unidade há vários anos.

Local deve ser interditado, diz engenheiro

Diretor no Sindicato dos Engenheiros no Estado de São Paulo, o engenheiro de segurança do trabalho José Manoel Teixeira, 62 anos, afirma, mesmo sem ter ido ao local para avaliar a estrutura física metálica do imóvel público, que a unidade deve ser interditada para conserto imediato.

"A tendência é piorar. A ferrugem ataca quase que em progressão geométrica, o que pode abalar sensivelmente a estrutura metálica", explica o especialista, também conselheiro do Crea-SP (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia) no estado de São Paulo.

Até porque, segundo Teixeira, áreas de vivências e de uso comum já foram demarcadas como pontos de abalos. A unidade possui fluxo diário de pacientes.

O engenheiro diz que a manutenção preditiva teria evitado o problema e diminuiria os custos. "A fase hoje é corretiva", diz.

Estrutura tem ferrugem e vigas à mostra

A unidade modular da AMA Americanópolis foi construída em chapa de aço, sob terreno íngreme e suspensa por vigas de ferro e de madeira, como se fosse uma palafita.

A reportagem do Agora esteve na última terça-feira (8) na unidade de lata, como é chamada pelos usuários, e constatou vários pontos de ferrugem na estrutura metálica, desde a parte debaixo da fachada até nas duas passarelas e corrimãos.

Há também oxidação no concreto, inclusive com as vigas de ferro à mostra, além de vazamento nos canos e no telhado sob a passarela metálica.

No local, gestantes e usuários circulavam para a marcação de consultas, inclusive na sala do acidente. Na UBS (alvenaria), um banheiro estava interditado.

Resposta

A Prefeitura de São Paulo, gestão Bruno Covas (PSDB), disse, em nota, que foram identificados problemas na estrutura metálica, após avaliação técnica de engenheiros da gestora da unidade. Dessa forma, como "medida emergencial foram sinalizados os pontos críticos para evitar acidentes, incluindo o raio-X".

Os procedimentos realizados na unidade modular AMA/UBS Integrada Americanópolis, segundo a prefeitura, serão transferidos "preventivamente" para o prédio de alvenaria, inclusive o agendamento das gestantes. A gestão não informou quando. Porém, os pacientes com encaminhamentos de raio-X serão direcionados à unidade AMA/UBS Vila Clara.

Sobre o acidente, a funcionária teve "escoriação leve no cotovelo e perna" e "foi encaminhada ao médico do trabalho, sem necessidade de afastamento".

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.