Motorista de aplicativo do ABC é espancado

Polícia investiga o que motivou a violência contra homem de 40 anos

Alfredo Henrique
São Paulo

Um motorista de aplicativo foi gravemente ferido após ser espancado, por volta das 4h deste domingo (29) em São Bernardo do Campo (ABC). Nenhum suspeito pelo crime havia sido identificado pela polícia até a conclusão desta reportagem.

Foi o segundo caso de violência contra motoristas de aplicativo no domingo —um condutor foi morto em Suzano (Grande São Paulo).

Uma motorista de aplicativo foi assassinada no final da noite de domingo (15) em Diadema (Grande SP). Adriana Márcia de Almeida, de 46 anos, levou um tiro no pescoço. Ela deixa um filho de 24 anos e uma neta de 3 anos. - Reprodução/TV Globo

Segundo registrado pela Polícia Civil,  a vítima de 40 anos, havia acabado de fechar seu dia de trabalho e pretendia ir a uma festa no bairro Terra Nova 2. 

No entanto, por razões ainda a serem esclarecidas pela polícia, o condutor foi espancado e encontrado caído na rua Freire de Andrade. O motorista, acabou encaminhado ao hospital estadual Mario Covas, onde permanecia internado em estado grave até a conclusão desta edição. 

Segundo a Secretaria estadual da Saúde, gestão João Doria (PSDB), a família da vítima não autorizou que o estado de saúde do motorista fosse informado. 

O caso é investigado pelo 3º DP de São Bernardo. 

Mês violento

Ao menos quatro motoristas de aplicativos acabaram mortos em ações criminosas em apenas duas semanas do mês passado.

Na madrugada deste domingo (29), um motorista que não teve nome e idade revelados, foi morto a tiros em Suzano. 

Segundo boletim de ocorrência, havia duas passageiras no carro. Elas contaram que um outro veículo fechou o do motorista, obrigando-o a parar. Em seguida, ocorreu o disparo. Nada foi roubado, segundo a polícia, e nenhuma das mulheres ficou ferida. Os três outros casos, nos dias 15 e 18, foram na capital, em Itaquaquecetuba (Grande SP) e em Diadema (ABC).

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.