Programa para recém-nascidos na capital paulista será ampliado

Bebês poderão ter acompanhamento clínico de rotina até o segundo ano

O Programa Mãe Paulistana, que busca reduzir a mortalidade materna e infantil na capital paulista, será ampliado até até o segundo ano de vida do bebê, com o acompanhamento clínico de rotina da criança.
O anúncio foi feito nesta sexta-feira (6) pelo prefeito Bruno Covas (PSDB).

Atualmente, o programa oferece consultas mensais para as gestantes com o obstetra, exames laboratoriais e ultrassom, ao longo do pré-natal e pelo período de um ano para a criança.

A partir de agora, parentes também poderão acompanhar bebês recém-nascidos pelo vidro da sala de parto das maternidades públicas municipais. 

A rede de proteção à Mãe Paulistana está hoje em 467 UBSs (Unidades Básicas de Saúde); 23 ambulatórios especialidades; 35 maternidades, sendo 16 sob gestão municipal, e duas casas de parto.

Mãe segura mão do bebê recém-nascido no Hospital Tide Setúbal, na zona leste - Ronny Santos - 21.mai.19/Folhapress

Com o programa, as futuras mães recebem um kit enxoval para o bebê, além do transporte público gratuito para ir às consultas, sete no mínimo, no pré-natal. 

De junho de 2018 a abril deste ano, cerca de 10 mil bilhetes foram utilizados, segundo a prefeitura.

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.