Descrição de chapéu Zona Leste

Verde começa a voltar ao canteiro central da Radial Leste em SP

Mudas foram plantadas em local onde havia árvores, cortadas para obra que nunca saiu do papel

São Paulo

Cinco anos depois de perder parte das cerca de 1.200 árvores, o canteiro central da avenida Radial Leste, onde deveria ter sido construído um corredor de ônibus, começa a ganhar novas mudas.

A obra, iniciada em 2014, ainda na gestão do prefeito Fernando Haddad (PT), quando houve a derrubada das árvores, seria para um corredor de ônibus exclusivo de 12 quilômetros entre o terminal Parque Dom Pedro (centro) e a estação da Vila Matilde (zona leste), da linha 3-vermelha do metrô. 

O projeto, orçado inicialmente em R$ 455 milhões, praticamente não saiu do papel por vários problemas legais (veja abaixo).

Desde 24 de outubro, a atual gestão Bruno Covas (PSDB), que também não deu andamento ao projeto, começou a fazer o plantio de arbustos ornamentais, forração e um ipê Roxo. 

Além do corredor, o projeto básico também previa a construção de um túnel com cerca de 800 metros, o primeiro da cidade exclusivo para ônibus. Ele ligaria o terminal Parque Dom Pedro à avenida Alcântara Machado (zona leste).

A Radial Leste é a principal ligação viária da populosa zona leste da capital paulista com o centro da cidade.

Segundo o advogado Danilo Bifone, 44 anos, fundador do Muda Mooca, grupo que realiza o plantio de árvores por ruas, praças e avenidas da cidade, até hoje não houve a compensação ambiental com o corte das árvores —a prefeitura não diz exatamente quantas acabaram preservadas, mas afirma que uma parte era de exemplares nativos e outra de exóticos.

O vendedor Cosmo Soares, 45 anos, que trabalha em uma loja de materiais de construção na avenida Alcântara Machado, diz que ficou um vazio. “Falaram que era para fazer uma obra de um túnel, mas nada.”

O frentista Eric Pessoa, 20 anos, que trabalha na mesma avenida, diz que o cenário mudou com as árvores arrancadas pela prefeitura. “Tem uns 20 dias, agora, que resolveram colocar grama e plantar essas folhagens”, afirma.

Tribunal de Contas viu irregularidades

Os corredores de ônibus Radial Leste 1 e 2 constaram em 77 obras por todo o país fiscalizadas presencialmente pelo TCU (Tribunal de Contas da União).

Na primeira fiscalização em 2015, a obra do corredor de ônibus Radial Leste 1 apresentou indícios de sobrepreço. Na época, o órgão recomendou o bloqueio dos recursos para a obra e pediu medidas corretivas.

No entanto, auditoria de 2018, segundo o TCU, verificou que a obra permanecia só com 1% de execução física e as medidas corretivas ainda não haviam sido adotadas integralmente. O que fez o tribunal classificar a obra com “indícios de irregularidades graves”.

Resposta

A Prefeitura de São Paulo, gestão Bruno Covas (PSDB), diz que o corredor Radial Leste trecho 1 teve o contrato rescindido em março de 2019  e do trecho 2 em julho de 2018, por conta dos apontamentos feitos pelo TCU. “No momento, está em processo a elaboração do edital do projeto executivo.”

A Secretaria Municipal das Subprefeituras diz que são executados serviços de jardinagem nos canteiros existentes. Os trabalhos têm previsão de término até 25 de fevereiro de 2020. 

A nota diz que está sendo utilizada uma variedade de forrações e arbustos ornamentais e que será plantado um ipê roxo. 

A Secretaria do Verde e do Meio Ambiente diz que foi firmado um Termo de Compensação Ambiental a partir do parque Dom Pedro, que prevê o transplante de 89 árvores, o corte de 1.037 árvores vivas e a remoção de 37 árvores mortas ou tocos. 

“A compensação prevê o plantio de 1.037 mudas ao longo do corredor, de 1.260 em novas áreas verdes  e de 6.034 para recuperação de áreas de preservação permanente”, diz a nota. 

Recursos viriam da União

O Ministério do Desenvolvimento Regional diz que o contrato do projeto foi rescindido neste ano.

Segundo a pasta, o contrato entre a Caixa e a prefeitura foi assinado em dezembro de 2013. Porém, em de dezembro de 2015, decreto legislativo mandou paralisar o contrato por vícios no processo licitatório e sobrepreço.

A ex-gestão Fernando Haddad diz em nota que os recursos, que não foram informados, estavam previstos no PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) Mobilidade Urbana, que “jamais foram cumpridos pelo governo federal”.


Corredor Radial Leste – o que previa a obra

Faria a integração da região do terminal Parque Dom Pedro (região central) até a Vila Matilde (zona leste)

  • 12km era o percurso total

Trajeto

  • Percorreria parte da Radial Leste

Custo

  • R$ 455 milhões

Execução

  • Na época, obra iniciou em novembro de 2014, mas foi parada em maio de 2015

Prazo

  • 36 meses

Túnel

  • Cerca de 800 metros de extensão ao lado do terminal, na região da avenida do Estado, passando próximo à estação Dom Pedro, da linha 3-vermelha do metrô
  • Uma plataforma subterrânea do metrô sem uso seria utilizada

Trajeto

  • Ligaria o terminal Parque Dom Pedro, passando pelo viaduto Antonio Nakashima, à avenida Alcântara Machado, na via expressa

Fonte: Prefeitura de São Paulo

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.