Incidentes com pipas na rede elétrica crescem mais de 200% em São Paulo

Prática aumentou principalmente na periferia da capital, aquecendo o comércio do brinquedo

São Paulo

Entre os dias 16 de março e 30 de junho deste ano, os chamados para reparar interferências na rede de energia na capital paulista relacionadas a pipas aumentaram 205%, passando de 1.114 no mesmo período de 2019 para 2.067 no atual, durante a pandemia. Os dados, fornecidos pela Enel-SP, indicam que as regiões mais afetadas são leste e sul, seguidas de oeste e norte, respectivamente.

A principal queixa é a falta de energia, que geralmente ocorre quando uma pipa com material cortante —cerol ou "linha chilena"— rompe um cabo elétrico, causando curto-circuito.

Segundo levantamento da Enel, houve um aumento nos casos de desligamento da energia elétrica causada por pipas presas na fiação dos postes de luz, como na rua Orfeu de Monteverdi, no Jardim Leticia na região do Capão Redondo
Segundo levantamento da Enel, houve um aumento nos casos de desligamento da energia elétrica causada por pipas presas na fiação dos postes de luz, como na rua Orfeu de Monteverdi, no Jardim Leticia na região do Capão Redondo - Rubens Cavallari/Folhapress

"Um bairro inteiro pode ficar sem luz por causa de uma única pipa", alerta Vinicyus Lima, gerente de operações da distribuidora.

Ele atribui o aumento de casos nesse primeiro semestre à quarentena. "Com a antecipação das férias, o impacto foi maior para a nossa rede, porque muitas pessoas soltaram pipa em época que não é comum."

O período de registros crescentes da Enel envolvendo o brinquedo coincide com a alta demanda na Nenê Pipas, que fica em Americanópolis, na periferia da zona sul paulistana.

"Antes da pandemia vinha uma média de 15 pessoas por dia na loja. Depois, nesse período de quarentena, principalmente em maio, foi para mil. Quando eu não podia abrir, chegou a formar fila na porta", conta Renato Haro, o dono da loja.

Segundo o comerciante —que tem clientes de todas as regiões de São Paulo e até de outros estados, como Sergipe e Acre—, muitos fornecedores não têm mais matéria-prima para vender.

Na zona leste, outro comerciante do ramo, Danilo Jorge Pereira, de 38 anos, também viu a clientela disparar. "Geralmente, assim que passa o Carnaval a procura já diminui, mas este ano, com shopping e parque fechados, aumentou em aproximadamente 100%. Tem gente que veio na loja depois de 8, 10 anos sem empinar", afirma o dono da Danilão Pipas, que fica no bairro de Cidade Patriarca. Na redondeza, ele garante que é comum, principalmente aos domingos, ver gente soltando pipa "até da sacada do apartamento".

Renato Haro é dono de uma loja de pipas no bairro de Americanópólis, que teve grande aumento nas vendas durante a pandemia de Covid-19
Renato Haro é dono de uma loja de pipas no bairro de Americanópólis, que teve grande aumento nas vendas durante a pandemia de Covid-19 - Rubens Cavallari - 17.jan.20/Folhapress

Com cuidados, a prática é bem-vinda

O pintor residencial Edvaldo Capdevilla tem 58 anos e é adepto da prática desde a juventude. De uns tempos pra cá, só empinava uma vez por ano, mas não resistiu ao ver o céu "parecendo um enxame" nos últimos meses.

"A gente vê um baita quadrado bonito e se sente estimulado, quer colocar um no alto também. Mas a gente sabe onde pode soltar."

Morador da Vila Germinal, na zona norte, ele cita locais da mesma região que são mais abertos e seguros, como um terminal de cargas da Vila Sabrina onde os pais levam filhos pequenos nas tardes de domingo. Por falar em segurança, aliás, o pintor já viu muito acidente por causa de pipa.

"É o que mais tem. Um conhecido provocou um curto e levou um choque porque foi mexer em uma pipa que estava enroscada em um cabo de energia."

Assim como o risco que linhas com material cortante oferecem à vida de motociclistas e pedestres, ocorrências com choque também podem ser fatais, segundo o especialista da Enel.

"Muitas pessoas acham que podem resgatar pipa usando bambu ou um pedaço de madeira, achando que é isolante [elétrico]. A madeira em si pode não conduzir energia, mas as impurezas que ela carrega devido à poluição, somadas à umidade podem causar um acidente fatal, assim como o bambu, que retém água."

Para Maria Angela Barbato Carneiro, coordenadora do Núcleo Cultura e Pesquisas do Brincar da PUC-SP, uma vez tomados os cuidados, a prática traz benefícios.

"Traz equilíbrio, concentração e até noções de Física, por estimular a observação da direção do vento."
A brincadeira antiga, segundo ela, era usada como sinalização na guerra pelos japoneses, que indicavam, no alto, onde estavam sendo atacados. Mas, para entreter as crianças, o objeto não precisa ser complexo.

"Os pais podem montar uma capucheta [espécie de pipa sem varetas] com jornal. É barato e lúdico."

*

PIPAS | PRÁTICA AUMENTOU MAIS DE 200%

OCORRÊNCIAS

Região 1º semestre de 2019 1º semestre de 2020
Leste 389 685
Sul 339 566
Oeste 189 410
Norte 197 406
Total 1.114 2.067

Obs.: O comparativo é entre os dias 16 de março e 30 de junho

QUAIS AS QUEIXAS

  • As ocorrências relatadas à Enel são sobre falta de energia em um bairro, residência ou rua
  • Geralmente, os técnicos associam o desligamento da rede elétrica a linhas de pipa com cortante que danificam os fios e provocam curto-circuito
  • Se isso acontecer, o reparo pode levar, no mínimo, 1h30, podendo chegar a 4h30 sem energia em um bairro inteiro, dependendo do tipo de dano

DICAS DE SEGURANÇA

  • Além de pane, a brincadeira sem os devidos cuidados pode causar choques elétricos, quedas e colocar em risco a vida de motoqueiros, ciclistas e até pedestres
  • A principal recomendação de especialistas é não tentar recuperar nada que esteja pendurado na rede de energia
  • Além disso, materiais metálicos não devem ser usados na fabricação de pipas, pois conduzem eletricidade, aumentando o risco de choques
  • O uso de calçados de borracha não evita possíveis acidentes desse tipo
  • Também é arriscado tentar recuperar pipas com pedaços de madeira ou bambu, já que qualquer indício de umidade nos materiais pode conduzir energia

O QUE FAZER EM CASO DE ACIDENTE

  • O local deve ser isolado para que não haja a aproximação de outras pessoas
  • O Corpo de Bombeiros deve ser acionado imediatamente, pelo telefone 193, assim como a Enel, pelo 0800.7272.196
  • A distribuidora também tem um aplicativo de celular em que emergências podem ser relatadas

Fonte: Vinicyus Lima, gerente de operações da Enel

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.