Bairros vizinhos da zona oeste de SP se dividem entre Covas e Boulos

Jardim Paulista deu maior percentual de votos a Covas; já Pinheiros é o local onde Boulos registra sua maior porcentagem, mesmo ficando em 2º lugar

São Paulo

Primeiro colocado no primeiro turno, Bruno Covas (PSDB) venceu em todas as 58 zonas eleitorais de São Paulo. Mas é na zona oeste que ele e Guilherme Boulos (PSOL) registram seus melhores desempenhos em percentual de votação.

No Jardim Paulista, Covas conseguiu a sua maior votação, proporcionalmente. No bairro, ele conquistou 44,52% do total dos votos válidos. Em Pinheiros, Boulos teve a sua maior votação em uma zona eleitoral (31,89%), mesmo ficando em segundo lugar.

O Agora esteve nos dois bairros na tarde desta segunda-feira (16) para conversar com moradores sobre o resultado. O comerciante Mário Borges Júnior, 74 anos, eleitor de Covas, credita o resultado expressivo nos Jardins, onde mora, ao nível social da população do local.

Lá, o tucano alcançou 22,89 pontos percentuais a mais que o rival. "Esse é o reduto dele, por ser uma zona mais politizada, que tem mais estudo e conhecimento", afirma o comerciante.

As outras zonas em que Covas teve o maior percentual foram Indianópolis (44,05%), Santo Amaro, 41,78%), Saúde (41,53%), todas na zona sul, e Vila Maria (39,1%), na zona norte.

Adriana Mattoso, 64, de Pinheiros (zona oeste), votou em Boulos; ela credita o bom desempenho do candidato do PSOL ao fato de o bairro ter perfil mais jovem - Rubens Cavallari/Folhapress

Já a arquiteta Adriana Mattoso, 64, moradora de Pinheiros, que votou em Boulos, associa os 31,89% de votos do candidato na região —o que deixou a diferença entre ele e Covas em 6,07 pontos percentuais no local— a uma exaustão da população sobre as gestões do PSDB. "A zona oeste é uma área de gente jovem, com a cabeça mais arejada e com pensamento mais à esquerda."

Os melhores desempenhos percentuais de Boulos foram nas zonas da Bela Vista (29,66%), região central, Perdizes (29,45%), zona oeste, Vila Mariana (24,28%), zona sul, e Rio Pequeno (23,82%), zona oeste.

Eleitora de Bruno Covas no Jardim Paulista, a educadora física Ana Soares, 54, acha que o resultado demonstra o trabalho que a atual gestão tem feito pelo bairro. "O bairro está sempre limpo e conservado. Votei nele porque acho que ele tem vigor para governar." Segundo ela, nenhum dos outros candidatos gerou a mesma identificação com a região.

A cientista política Marcela Purini, 38, fala que o desempenho de Boulos em Pinheiros, onde ela mora, expõe duas características que podem ser vistas como antagônicas: é uma vizinhança de classe alta e, ao mesmo tempo, progressista.

Para ela, votar no candidato foi uma tentativa de impedir que o atual prefeito ganhasse a eleição já no primeiro turno. "Nunca imaginei que votaria no PSOL porque sou petista filiada, mas essa foi a escolha para irmos para o segundo turno."

Marcos Levy, 68, morador do Jardim Paulista, diz que Covas é o candidato mais centrado, e foi isso que motivou sua escolha: "É o candidato que tem as ideias mais dentro da linha." A honestidade e o nome da família, de acordo com a aposentada Celia Goldfeder, 80, foram os motivos que a fizeram escolher o atual prefeito.

Marcos Levy, 68, do Jardim Paulista (zona oeste), diz que votou em Covas porque ele é o candidato mais centrado, em sua opinião - Rubens Cavallari/Folhapress

Também moradora do Jardim Paulista, a geógrafa Maria Rita Pelegrim, 37, diz que se sente um "peixe fora d'água", pois é é eleitora de Boulos. "Minha escolha foi pela minha formação, porque meus pais sempre seguiram ideais de esquerda. Mas aqui há pessoas mais conservadoras. A classe média alta tem uma visão estreita da sociedade porque não sai da bolha dos Jardins, falta um olhar mais sensível sobre a cidade."

A socióloga Vera Carvalho, 65, afirma que votou em um candidato da direita, mas sem especificar qual. Moradora de Pinheiros, ela credita o resultado de Boulos aos jovens que moram no bairro. "A nossa juventude foi doutrinada nas escolas para gostar da esquerda. Eles dizem que a direita é fascista, o que é uma desonestidade intelectual."

A menor diferença entre as votações de Covas e Boulos foi registrada na zona eleitoral de Valo Velho, zona sul, e foi de apenas 2,49 pontos percentuais, com o tucano à frente. A maior foi registrada em Indianópolis, com 26,44 pontos percentuais entre os dois.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.