Voltaire de Souza: Prefiro tênis

Voltaire de Souza

Medo. Isolamento. Pandemia.
O governo Bolsonaro toma atitudes.
—Vamos fazer a Copa América.
É o Brasil chutando a bola para o alto.
Dia de reunião numa famosa emissora de TV.
Fabrício era um competente âncora do noticiário.
—Absurdo, pô.
O diretor Evânio Carlos ficou pensando.
—O que diz o pessoal do financeiro?
A executiva Yvonne clicou nas planilhas.
Evânio Carlos estranhou.
—Ué. O financeiro não era o Wilson?
—Está de licença. Pegou Covid.
—Cadê o pessoal do Jurídico?
—Covid, Evânio Carlos.
O diretor deu um tapa na mesa.
—Mas aqui ninguém se cuida?
O chefe do departamento técnico levantou outro problema.
—Risco de apagão.
Cai o nível dos reservatórios.
—País desgraçado.
Evânio Carlos avisou que ia se ausentar por alguns minutos.
—Só bebendo.
Descia a noite.
Evânio Carlos tentava clicar o controle remoto.
—Quer saber? Prefiro tênis.
Roger Federer se preparava para o saque.
—Ué… a bolinha é vermelha agora?
Microscópica. Com chifrinhos. Pulando de um lado para outro.
O teste de Evânio Carlos deu positivo.
O jogo varia. Mas uma coisa é certa.
A bolinha não para de rolar.

Pernas de homem jogador de tênis, segurando raquete e bolinha no limite da quadra
Uma coisa é certa. A bolinha não para de rolar. - Pixabay

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.