Descrição de chapéu Opinião

Caneladas do Vitão: Santos despacha Palmeiras e toma a vice-liderança!

Vitor Guedes
São Paulo

Caiu na rede é peixe... Alô, povão, agora é fé! O Palmeiras não deu nem para o cheiro na Vila. Se o Santos levou 4 a 0 do rival na ida, no Pacaembu, o novo vice-líder decidiu o confronto logo aos 17min, quando Marinho fez 2 a 0 em gol validado, com atraso, pelo VAR. Antes, Gustavo Henrique tinha aberto o placar em apagão da defesa verde.

Gustavo Henrique comemora o primeiro gol do Santos sobre o Palmeiras no clássico da Vila Belmiro, pelo Brasileirão
Gustavo Henrique comemora o primeiro gol do Santos sobre o Palmeiras no clássico da Vila Belmiro, pelo Brasileirão - Ivan Storti/Santos FC/Divulgação

Se a situação era feia para o Palmeiras, ficou pior ainda em seguida, quando Luiz Adriano sentiu uma lesão e deu lugar a Carlos Eduardo.

Com a parada decidida, o restante foi um passar do tempo protocolar. Quando Willian foi expulso também por interferência do circo eletrônico, já estava claro para todos que o clássico na Baixada era do Peixe. 

O Santos de Sampaoli sabe que a sua briga, real, é por uma vaga direta à Libertadores. E o Palmeiras, que investiu muito dinheiro e foi eliminado tanto do Paulista quanto da Copa do Brasil e da Libertadores, ficou mais perto de passar a temporada sem dar uma volta olímpica. O Flamengo, que também gastou os tubos e está a dois jogos do título continental, está mais perto de papar o Brasileiro! 

Porca miséria!

No São Paulo, que teve que fazer as três trocas por questões físicas (Juanfran, Pablo e Liziero sentiram e deram lugar, respectivamente, a Igor Vinicius, Igor Gomes e Vitor Bueno), Fernando Diniz conseguiu o seu segundo 0 a 0 no segundo jogo como visitante, igualdade que manteve o Tricolor paulista dois pontos à frente do baiano, no 5º lugar. Para quem fez o dever de casa contra o Fortaleza, entre os empates contra o líder Flamengo e o Bahia, ficou de bom tamanho. Desde que, claro, vença o arqui-inimigo Corinthians, domingo, no Morumbi... Ou o crédito inicial vira, majestosamente, débito...

A derrota em Alagoas, para o CSA de Argel, sinaliza que não será ainda neste ano que o Internacional, sempre tão elogiado pela mídia-tiete, acabará com o jejum no Brasileiro, competição que venceu no longínquo ano de 1979.

Eu sou o Vitor Guedes e tenho um nome a zelar. E zelar, claro, vem de ZL. É tudo nosso! É nóis na banca!

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.