Descrição de chapéu Opinião

Caneladas do Vitão: Empate emocionante sai melhor para o visitante Timão!

São Paulo

Que emocionante é uma partida de futebol... Alô, povão, agora é fé! Com dois gols nos acréscimos, um golaço de Michel Macedo e um gol de Bruno Henrique, Corinthians e Palmeiras ficaram no 1 a 1.

A igualdade foi melhor para o Timão, que fecha o ano que conquistou o tricampeonato paulista invicto (uma vitória e dois empates) nos Dérbis. E o caríssimo Palmeiras, que perdeu um “pênalti” criado pelo VAR e foi melhor durante todo o segundo tempo, vai se despedindo de 2019 sem dar volta olímpica nem vitória sobre o maior rival.

Bruno Henrique (à dir.), do Palmeiras, disputa bola com Júnior Urso, do Corinthians, no clássico disputado no Pacaembu
Bruno Henrique (à dir.), do Palmeiras, disputa bola com Júnior Urso, do Corinthians, no clássico disputado no Pacaembu - Cesar Greco/Agência Palmeiras

O jogo foi mais equilibrado no primeiro tempo. Com Ramiro no lugar de Mateus Vital, para ter “mais jogo apoiado”, o interino Coelho veio para marcar o Palmeiras, mas jogou. Tanto que, logo aos 2 minutos, Boselli testou para defesa de Weverton.

Já o mandante Palmeiras, que poupou mais de meio time contra o Vasco pensando no Dérbi e precisava da vitória para fingir que ainda lutava pelo título, não pressionou no início. A ausência de Luiz Adriano dificultou os planos de Mano Menezes. Na melhor chance verde, Scarpa finalizou cruzado para fora; antes, Pedrinho, travado na hora da onça beber água, assustou a torcida verde.

O Palmeiras voltou melhor. Logo no reinício, Deyverson exigiu uma boa defesa de Walter. Com dificuldade de criar, no entanto, Thiago Santos (duas vezes), Dudu e Zé Rafael se atiraram na área, mas, sem poça d'água, o VAR ficou constrangido e adiou a marcação de uma “penalidade”.

Mateus Vital e Clayson entraram nos lugares de Pedrinho e Janderson para tentar equilibrar as ações. Mano Menezes respondeu com Willian no lugar de Zé Rafael e, em seguida, Borja na vaga de Deyverson.
E o lixo do VAR resolveu dar emoção… Em lance interpretativo, em que a bola bateu na mão de Manoel, criaram uma penalidade. Aí Walter foi bem melhor que Scarpa…

Como o 0 a 0 não teria graça, os dois gols deram emoção no final. Segue tudo igual no histórico dos Dérbis: 127 vitórias para cada lado e, agora, 108 empates.

Eu sou o Vitor Guedes e tenho um nome a zelar. E zelar, claro, vem de ZL. É tudo nosso! É nóis na banca!

Vitor Guedes
Vitor Guedes

42 anos, é ZL, jornalista formado e pós-graduado pela Universidade Metodista de São Paulo, comentarista esportivo, equilibrado e pai do Basílio

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.