Palmeiras empata com o São Paulo e aumenta tabu no Choque-Rei

Verdão obtém a maior série invicta contra o rival na história do clássico

Miro Neto

No primeiro clássico do Paulistão de 2020, Palmeiras e São Paulo empataram por 0 a 0, na Fonte Luminosa, em Araraquara. Assim, as duas equipes, que haviam vencido na estreia, chegam a quatro pontos.

Com mando do Verdão, que não pôde atuar no Allianz Parque devido à reforma do gramado, a partida teve bom nível técnico, apesar do calor escaldante, com superioridade do Verdão em boa parte do confronto. 

Homens de verde e de branco correm em gramado
Ramires, do Palmeiras, parte em disparada com a bola ao ataque e é perseguido por Hernandes, do São Paulo, na partida em Araraquara - Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação

A equipe alviverde mandou duas bolas na trave, com Ramires e Luiz Adriano. A melhor chance tricolor aconteceu no segundo tempo, quando Daniel Alves concluiu para defesa de Weverton. Com o resultado, o Palmeiras acumula dez jogos seguidos sem perder o Choque-Rei, um recorde para o clube. É a maior invencibilidade da equipe na história do clássico. O último triunfo do São Paulo sobre o Verdão foi no Campeonato Brasileiro de 2017, quando fez 2 a 0, no Morumbi. De lá para cá, foram ao todo seis vitórias palmeirenses e quatro empates.

Outra estatística ruim do São Paulo no confronto, esta ainda mais negativa, refere-se aos duelos como visitante. O time do Morumbi não derrota o Verdão fora de casa há 19 partidas, desde o dia 17 de agosto de 2014, ocasião em que venceu por 2 a 1, no Pacaembu. No Paulistão, desde 2009 não há vitória são-paulina sobre o adversário. Já são 13 jogos seguidos sem triunfo no Choque-Rei no estadual. 

No primeiro tempo, o São Paulo tinha mais a bola, porém sem conseguir ser tão incisivo quanto o rival. O Verdão quase abriu o placar com Dudu, em definição defendida por Volpi, e em chute de Ramires na trave. O volante, aliás, fez um ótimo jogo e foi sacado apenas por questões físicas. 

A segunda etapa teve toada semelhante. No início, o São Paulo deu sinais de que o cenário poderia ser outro em jogada que redundou em Daniel Alves frente a frente com Weverton. O goleiro palmeirense impediu o gol. A partir daí, o Palmeiras voltou a comandar as ações. A melhor chance foi em cabeçada do atacante Luiz Adriano, que terminou no travessão. 

A defesa são-paulina acabou como o ponto forte do clássico. O zagueiro Arboleda, que teve seu nome ironicamente cantado pela torcida alviverde em alusão à foto em que apareceu com a camisa do clube, teve desempenho destacado, assim como Bruno Alves e Volpi. Já o Verdão, que foi mais incisivo, não definiu bem e o zero vingou no placar. 

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.