Descrição de chapéu Opinião

Caneladas do Vitão: Lavar as mãos como cidadania e resistência

Ninguém sabe quando vai acabar, mas sabemos que vai passar o problema da pandemia do coronavírus

São Paulo

Amanhã há de ser outro dia... Alô, povão, agora é fé! Lavar as mãos, ato de higiene e, hoje, de cidadania e resistência à pandemia do coronavírus, é uma expressão que, historicamente, sempre foi usada como sinônimo de se isentar, de se acovardar, de terceirizar e fingir que não tem nada com a decisão que vai prevalecer…

Gustavo Gómez, do Palmeiras, e Yuri Alberto, do Santos, disputam clássico do Paulistão: como será na volta após a pandemia do coronavírus?
Gustavo Gómez, do Palmeiras, e Yuri Alberto, do Santos, disputam clássico do Paulistão: como será na volta após a pandemia do coronavírus? - Cesar Greco - 29.fev.20/Palmeiras/Divulgação

À vera, lavar as mãos, nesse sentido, é, à Pôncio Pilatos, dar as mãos de forma covarde ao lado mais forte, ao que vai vencer, mesmo que essa opção seja a pior dentre todas as possíveis e que acabe afetando o próprio isentão depois.

Tratemos do futebol. Temos duas certezas: ninguém sabe quando vai acabar, mas sabemos que vai passar o problema da pandemia. Quando a vida do planeta (levanta a mão aí quem também é terraglobista como eu) voltar ao normal, o esporte, óbvio, também voltará à ativa. E o que será do esporte e, particularmente, do futebol brasileiro pós-pandemia?

Os clubes vão lavar as mãos e deixar às federações o poder de decidir o que fazer? É a FPF e a Ferj que vão decidir, por Corinthians, São Paulo, Palmeiras, Santos, Flamengo, Vasco, Fluminense e Botafogo, se os campeonatos estaduais continuarão? Qual o tamanho que terão? Se serão mantidos e como serão mantidos a partir de 2021?

Os jogadores e o sindicato dos jogadores vão lavar as mãos e deixar para os clubes o poder
de decidir quando e quantos jogos farão?

As confederações nacionais vão lavar as mãos e deixar para as confederações continentais o poder de decidir o calendário mundial de seleções? Isso, claro, se os clubes não lavarem as mãos antes e não se recusarem a ceder os atletas a torto e a direito às seleções.

E, nós, torcedores, vamos continuar lavando as mãos, sustentando e batendo palma para tudo isso aí?

Friedrich Nietzche: “Tudo é precioso para aquele que foi, por muito tempo, privado de tudo”.

Eu sou o Vitor Guedes e tenho um nome a zelar. E zelar, claro, vem de ZL. É tudo nosso! É nóis na banca!

Vitor Guedes
Vitor Guedes

43 anos, é ZL, jornalista formado e pós-graduado pela Universidade Metodista de São Paulo, comentarista esportivo, equilibrado e pai do Basílio

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.