Descrição de chapéu Opinião

Caneladas do Vitão: Torcedores da democracia enfrentam o fascismo

Torcida honrou a memória de Sócrates e da Democracia Corinthiana

São Paulo

Doutor, eu não me engano, meu coração é corinthiano... Alô, povão, agora é fé! Enquanto o irresponsável e "cloroquiner" presidente Bolsonaro, fazendo jus ao seu histórico de apologista da ditadura e da tortura, montou no cavalo (sem máscara) e liderou a manada em apoio a outra dessas manifestações antidemocráticas, em Brasília, que pediu, entre outros crimes, intervenção militar, AI-5, fechamento do STF e do Congresso, torcedores dos grandes clubes paulistas (grupo formado por maioria de organizados corinthianos), honraram a memória de Sócrates e da Democracia Corinthiana.

Eles foram à avenida Paulista marchar pela democracia contra o ignóbil fascismo e contra tudo que representa o fétido bolsonarismo e essa "gente" nojenta que plageia a Ku Klux Klan e, em ode ao nazismo, brinda a "supremacia branca" com copo de leite.

Reunidos no vão livre do Masp, coletivos de torcidas de futebol antifacistas e a Gaviões da Fiel realizam ato pela democracia na avenida Paulista
Reunidos no vão livre do Masp, coletivos de torcidas de futebol antifacistas e a Gaviões da Fiel realizam ato pela democracia na avenida Paulista - Marlene Bergamos/Folhapress

Para a surpresa de um total de zero pessoas, a PM (que, em outros atos, tirou selfie com fascistas e só assistiu a pedidos contrários à Constituição, com direito a dancinha com caixão ironizado as milhares de vítimas da Covid-19 e desejando a morte do governador) entrou em confronto com os torcedores democratas.

Lembrando, para o caso de a polícia querer cumprir a lei, que é crime fazer apologia à ditadura e, até o fechamento desta edição, era constitucional pedir democracia.

E, aproveitando que os torcedores levaram faixa com os dizeres "Vidas negras importam: Justiça para George Floyd", vale lembrar, como registrado por Marcos Guedes, no sábado, nos Estados Unidos, ídolos do esporte, como LeBron James, posicionaram-se. Aqui? Comemoram gols fazendo arminha com a mão!

No país em que há uma polícia para "Alphaville e outra para "Alphavella", faz muita falta Sócrates! Nunca foi difícil escolher entre ditadura e democracia, tortura e direitos humanos, barbárie e civilização! Essa culpa eu não carrego! Nem os torcedores democratas!

#EstamosJuntos.

#Somos70%.

Desmond Tutu: "Se você fica neutro numa situações de injustiça, você escolhe o lado do opressor".

Sou o Vitor Guedes e tenho um nome a zelar. E zelar, claro, vem de ZL. É tudo nosso! É nóis na banca!

Vitor Guedes
Vitor Guedes

43 anos, é ZL, jornalista formado e pós-graduado pela Universidade Metodista de São Paulo, comentarista esportivo, equilibrado e pai do Basílio

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.