5 milhões de trabalhadores têm jornada reduzida no país

Estudo mostra que cresceu número de profissionais que trabalham menos de 44 horas semanais

Caroline Apple

Quase 5 milhões de trabalhadores tiveram as jornadas de trabalho reduzidas para menos de 30 h semanais, entre o terceiro e o quarto trimestres de 2018, de acordo com o Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos). Cerca de 1,3 milhão ficou insatisfeito com essa mudança na carga horária.

Linha de produção da Fábrica de calçados Sândalo - Folhapress

Os dados mostram que 38% não estavam trabalhando no trimestre anterior e conseguiram algum trabalho, mas com jornada inferior à desejada, e 27% teve a jornada reduzida de forma involuntária, sem escolha. No primeiro trimestre de 2019, foram registrados 6,768 milhões de trabalhadores subocupados, nome dado para quem trabalha menos de 44 h semanais.

O diretor-técnico do Dieese, Clemente Ganz Lúcio, explica que, com a jornada de trabalho reduzida, é possível que haja uma redução também nos ganhos. “A maioria dos trabalhadores que não está satisfeita tinha jornada plena e foi para a rotatividade após o desemprego. É possível também que as empresas estejam mandando embora algumas pessoas e contratando outros trabalhadores com contratos com horários e salários reduzidos”, explica ele.

Informalidade

Lúcio também destaca os dados que mostram um crescimento no contingente de trabalhadores informais com jornada reduzida, abaixo de 30 h. “Para cada 1 ocupação formal subocupada, com jornada parcial ou intermitente, há 9 estão na informalidade [com jornada menor]. A subocupação já era presente no mercado, mas aumentou significativamente”, afirma.

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.