Descrição de chapéu Defesa do Cidadão

Medicamento para Parkinson está em falta, diz leitor

Paciente afirma que, há dois meses, não consegue retirar remédio

Havolene Valinhos
São Paulo

O aposentado Antonio Vieira Coelho, 66 anos, do Imirim (zona norte), conta que, há dois meses, não consegue retirar o medicamento pamiprexol 25 mg, que toma para o tratamento do Parkinson. 

O aposentado Antonio Vieira Coelho, 66 anos, com caixa de pamiprexol nas mãos; ele conta que toma seis comprimidos todos os dias e não pode interromper o tratamento
O aposentado Antonio Vieira Coelho, 66 anos, conta que toma seis comprimidos de pamiprexol todos os dias e não pode interromper o tratamento - Rivaldo Gomes/Folhapress


“Está em falta na Farmácia de Alto Custo Maria Zélia e ninguém nos dá uma previsão de quando receberemos o medicamento”, queixa-se ao Agora

Coelho relata que, há cinco anos, precisa ingerir seis comprimidos do remédio diariamente.

”Como não posso ficar sem tomá-lo, estou tendo que comprar. O preço de uma caixa com 30 comprimidos varia entre R$ 40 e R$ 70 nas farmácias”, explica o leitor, que necessita de seis caixas do produto por mês. 

“Com certeza não estou vivendo essa situação sozinho, mas há vários pacientes que procuram a farmácia de alto custo. Eu ainda consigo fazer um esforço, aperto o orçamento, procuro promoções. Agora, imagine quem realmente não tem condições de adquiri-lo. Terá que parar o tratamento? É um descaso com o ser humano”, afirma.

Coelho diz que foi orientado a aguardar um contato do órgão estadual ou ligar em dias alternados para saber se o medicamento já está disponível.

“O governo havia prometido regularizar essa situação em maio, mas pelo visto continuamos dependendo de promessas não cumpridas”, reclama o leitor.

Secretaria de Estado da Saúde
Tel.: (11) 3066-8000

Entregas ocorrerão até o dia 25 de junho

A Secretaria de Estado da Saúde informa que o remédio pramipexol é comprado e enviado pelo Ministério da Saúde.

O órgão diz que as entregas têm sido parciais e fora dos prazos. Para atender os pacientes no 2º trimestre, o estado afirma ter solicitado 1,7 milhão de comprimidos de 0,25 mg, mas recebeu apenas 3%.

O Ministério da Saúde diz que a empresa contratada teve problemas no fornecimento do medicamento e que novas entregas estão previstas entre os dias 18 e 25 de junho.

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.