Descrição de chapéu Defesa do Cidadão

Leitor quer renegociar divida com BMG

Aposentado diz que juros de empréstimo são muito altos e ele não consegue pagar; veja outras queixas

Laíssa Barros
São Paulo

O servidor público aposentado Edson Moia Varjão, 70 anos, do Guarujá (86 km de SP), conta que fez um empréstimo no BMG, mas não consegue mais pagar o valor das parcelas. 

O aposentado afirma que quer fazer um acordo com a financeira. Ele relata que a empresa não tem demonstrado interesse em diminuir os juros cobrados. 

“Há mais de dois anos contratei a empresa de crédito pessoal e acertei que todo mês o valor da parcela seria debitado diretamente do meu benéfico. Mas,  agora não consigo mais pagar o valor cobrado. Os juros se multiplicaram, se tornaram até abusivos”, queixa-se Varjão.  

O leitor diz que vem tentando fazer um acordo para viabilizar o pagamento, mas nunca conseguiu uma resposta positiva. “Já liguei várias vezes, e, também, fui a loja física da empresa, em busca de uma resolução, mas o acordo não foi assinado. Pelo jeito, vou ter que ficar o resto da vida pagando esse juros. Contratei R$2.000 e já paguei esse valor, mas eles dizem que minha dívida está em R$ 4.475. Isso é um absurdo”, afirma .o leitor. 

Aposentado diz que juros de empréstimo são muito altos e ele não consegue pagar; veja outras queixas - Gabriel Cabral/Folhapress

BMG negocia contrato com aposentado 

O BMG informa, em nota, que entrou em contato o cliente e prestou os devidos esclarecimentos quanto a sistemática de seu contrato junto a financeira. A empresa afirma ainda que propôs um acordo, o qual foi aceito por Varjão.

Outras reclamações 

Caixa 

A aposentada Maria Aparecida Garcia Santana, 62 anos, da Cohab de Taipas (zona norte), conta que ligou para a Caixa Econômica e foi informada, por uma atendente do banco, que apenas alguns clientes sorteados poderiam participar da campanha “Fique no Azul”, que negocia valores em débito. “Por que somente algumas pessoas foram beneficiadas com essa campanha? Também gostaria de participar”, afirma. 


Resposta

Até o fechamento da edição, a assessoria de imprensa da Caixa não havia se manifestado.

Iamspe 

 A aposentada Rita de Cássia Cardoso, 61 anos, do Jaçanã (zona norte), reclama que seu filho precisa fazer um exame de eletroneuromiografia na rede credenciada do Iamspe, mas a maioria das unidades informaram que não atendem mais casos da autarquia. “Estão descredenciando os locais que atendem os paciente do Iamspe, mas não tem vaga para fazer os exames dentro do hospital”, queixa-se a aposentada. 


Resposta 

O Iamspe afirma, em nota enviada por assessoria, que o exame do filho da leitora está agendado para o dia 9 de agosto. Em novo contato, ela confirmou a data. 

Vivo

 O autônomo Luís Antônio Rodrigues, 40 anos, de Pracinha (584 km de SP), informa que tinha uma linha de telefone da Vivo e pediu a migração para outro plano da mesma operadora, mas, ao invés disso, a Vivo cancelou sua linha. “Liguei para o SAC e fui em uma loja física da operadora, mesmo assim não resolveram meu problema. Quero minha linha de volta ”, conta Rodrigues. 


Resposta 

A Vivo informa que a linha foi reinstalada e está funcionando normalmente. A operadora afirma que entrou em contato com o leitor e que ele está ciente das tratativas realizadas.

Net

"Estou tendo problemas com a Net. Contratei o serviço de internet com a empresa há dois meses e ainda não o instalaram. Cada vez que entro em contato com a operadora, me passam uma data diferente e nenhum técnico vai até a minha casa", diz Flávio Máximo, 38 anos 


Resposta 

A Claro informa, em nota enviada por sua assessoria de imprensa, que já entrou em contato com o leitor e resolveu a situação. A empresa diz ainda que continua à disposição para esclarecimentos. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.