Descrição de chapéu Defesa do Cidadão

Cliente não consegue cancelar plano de saúde

Leitora afirma que o convênio SulAmérica quer que ela pague a carência; veja outras queixas

Loraine Silva Sant’Ana, 40 anos, da Vila Progresso (zona norte), afirma que solicitou o cancelamento de seu plano de saúde da SulAmérica, mas não está sendo atendida.

A leitora conta que registrou uma reclamação na ANS (agência reguladora), pois a empresa estava exigindo, para realizar o cancelamento, que ela cumprisse o prazo de 60 dias de carência. “Querem que eu pague as mensalidades correspondentes a esse período, no valor de R$ 5.624,15”, relata.

“A SulAmérica emitiu uma carta de seu próprio sistema, na qual não permite alterar nenhuma informação, impondo, desta forma que eu cumpra o contrato, mesmo sendo lesada nesses dois meses.”

Loraine afirma que a empresa entrou em contato para responder a reclamação que foi feita à ANS. “O convênio informou que sou obrigada a pagar as mensalidades, mas não tenho condições de efetuar esse pagamento devido ao alto custo. Exatamente por isso solicitei o cancelamento.”

Gabriel Cabral/Folhapress

SulAmérica faz cancelamento de seguro 

A SulAmérica esclarece que efetuou o cancelamento do seguro, conforme solicitado pela leitora, sendo mantida a cobrança do aviso prévio, em conformidade com as condições contratuais e legislação vigente. A companhia informa, também, que tentou contato com a segurada, mas não obteve sucesso.

Outras reclamações

Sky 

Benedito Tadeu Vicente, 65 anos, diz que não aguenta mais ligar para a  Sky. Há dias, o aposentado, que mora em Cambuí (MG), tenta cancelar a assinatura da empresa. No início do mês, ele comprou um pacote de serviços para TV. “O problema é que, até agora, os funcionários não instalaram a antena ou o aparelho. “Perdi a paciência. Não quero mais o serviço”, diz Vicente. 


Resposta 

A Sky informa que, por se tratar de um cadastro pré-pago, não é necessário realizar o cancelamento, basta não fazer nenhuma recarga. O cadastro está inativo, devido ao longo período sem recarga.


Enel 

A aposentada Vilma Gomes dos Santos, relata que ficou mais de dez horas sem energia elétrica, na rua Erick Asplund, Casa Verde (zona norte). Ela conta que ligou quatro vezes para Enel, operadora de energia elétrica, mas ninguém apareceu. 


Resposta 

Em nota, a Enel Distribuição São Paulo informa que a ocorrência foi pontual na casa da consumidora e que o fornecimento de energia foi normalizado. Em novo contato com o Agora, a leitora afirmou que a Enel esteve no local. “A concessionária veio verificar a rede e o fio no poste estava em curto, quase pegando fogo.”

TIM

O administrador de empresas Anderson Ricardo Catto, 42 anos, de Santo André (ABC), contratou, em 6 de agosto, um pacote de serviços da TIM. O plano, no valor de R$ 20, oferecia 2 GB de internet, além de ligações e SMS ilimitados. Mas, ao consultar o saldo bancário, o leitor encontrou um débito de R$ 42,86. “Não entendi o motivo. Liguei várias vezes para a TIM, mas foi em vão.” 


Resposta 

A TIM informa, em nota, que o caso do cliente permanece em tratamento pelas áreas responsáveis.

Vivo 

Na fatura de julho, a Vivo está me cobrando R$ 47,55 a mais pelo serviço telefônico. A operadora deveria cobrar em minha fatura, com vencimento naquele mês, apenas R$ 89,47. Já pedi para corrigirem, mas não fui atendido, diz Adelto Gonçalves, 68 anos


Resposta

A Vivo informa que a dificuldade já foi solucionada. Em contato com o cliente, diz nota, ele foi comunicado das tratativas realizadas. 

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.