Descrição de chapéu Defesa do Cidadão

Leitor quer grana de aparelhos queimados

Aposentado afirma que teve os eletrodomésticos de sua casa danificados após uma explosão de um transformador na rua

Everton Menezes Havolene Valinhos
São Paulo

Há quase dois meses, o aposentado Odilon Gomes Fernandes Filho, 69 anos, teve os eletrodomésticos de sua casa queimados após uma explosão de um transformador na rua onde mora, em Osasco (Grande SP).

De lá pra cá, o aposentado luta para cobrar da concessionária de energia Enel uma indenização pelos aparelhos queimados. 

Fernandes Filho afirma que reuniu todos os laudos técnicos e recibos dos consertos, que lhe custaram, em média, R$ 2.000; ele quer o reembolso 
Fernandes Filho afirma que reuniu todos os laudos técnicos e recibos dos consertos, que lhe custaram, em média, R$ 2.000; ele quer o reembolso  - Martha Salomão/Folhapress

“Perdi geladeira, televisão, micro-ondas, máquina de lavar e computador. O que eu faço agora?”
Fernandes Filho conta ainda que, no dia da explosão, 16 de julho, um funcionário da Enel trocou o registro de energia da casa.

“O técnico disse que a energia estava sendo desviada, roubada. Isso nunca me aconteceu”, afirma o leitor à reportagem. 

Para piorar, o leitor diz que precisou pagar uma multa de R$ 1.440. “A dívida não era minha, mas não houve conversa. Tive que dividir em dez vezes.” 

O susto naquele mês quase o levou o leitor para o hospital. “Passei mal, mas respirei fundo e decidi correr atrás dos meus direitos.”

O aposentado relata que reuniu todos os laudos técnicos e recibos dos consertos, que lhe custaram, em média, R$ 2.000.

“Após registrar as reclamações, enviei toda a documentação solicitada. Anteriormente já recebi duas negativas da concessionária. Agora, espero que isso mude com a intervenção do Defesa do Cidadão”, diz.

Enel: 0800-7273110 

​Concessionária analisa pedido

A Enel Distribuição São Paulo informa, por meio de nota de sua assessoria de imprensa, que realizou contato com o cliente e esclareceu que o pedido de indenização permanece em apuração interna.

Em novo contato com o Agora, o leitor Odilon Gomes Fernandes Filho confirmou a ligação da concessionária, mas continua indignado com a demora para a solução do caso. “Terei que esperar até quando? É um desrespeito com o consumidor”, disse o aposentado.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.