Descrição de chapéu Defesa do Cidadão

Consumidora pede para cancelar curso

Faxineira afirma que assinou contrato sem ler direito e só em casa descobriu que teria de pagar quase R$ 4.000 em 20 vezes

Everton Menezes
São Paulo

Marlene Cristina da Silva, 45 anos, da Vila Granada (zona leste), diz que foi vítima de uma propaganda enganosa após levar o filho Gabriel, de 15 anos, para uma entrevista de emprego. Ela conta que o garoto foi submetido a um teste, mas reprovado em seguida. 

Marlene Cristina com o filho, Gabriel Fontabelle, 15 anos, conta que os funcionários da empresa explicaram que o curso de qualificação para o estudante custaria R$ 230, que foram pagos no cartão de crédito
Marlene Cristina com o filho, Gabriel Fontabelle, 15 anos, conta que os funcionários da empresa explicaram que o curso de qualificação para o estudante custaria R$ 230, que foram pagos no cartão de crédito - Martha Salomão/Folhapress

Os funcionários do Server Educação Profissional Tatuapé teriam, segundo ela, sugerido curso de qualificação para ele no valor de R$ 230, pagos no cartão de crédito.

“Deram um monte de papel para eu ler e assinar. Estava sem óculos na hora. Somente quando cheguei em casa vi que eu teria que pagar quase R$ 4.000 em 20 parcelas. Quase caí dura no chão”, diz Marlene, que trabalha como faxineira em um condomínio. 

A leitora relata que os funcionários foram convincentes afirmando que o filho, se participasse do curso de qualificação, conseguiria facilmente um emprego no Programa do Jovem Aprendiz. “Quando vi que não era nada daquilo, liguei para a escola e tentei cancelar o contrato, em vão.” 

Com o cancelamento, ela teria que pagar uma multa.”Não tenho como arcar com essa dívida. Quero cancelar o contrato e receber o estorno. Fui vítima de propaganda enganosa.”
 
Server Educação: (11) 3019-1700

Contrato é claro, diz empresa

A Server Educação Profissional Tatuapé diz que explicou à leitora que seu filho não obteve os acertos pedidos para que fosse entregue a carta de encaminhamento para participar dos processos seletivos. Sendo assim, solicitou uma vaga no curso profissionalizante com a duração de 20 meses, pelo qual pagaria 20 parcelas de R$ 199,99. A documentação foi reexplicada, diz nota, e, não havendo dúvidas, ela assinou o contrato.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.