Leitor reclama de valor de convênio; veja outras reclamações

Publicitário diz que seus pais são idosos e preço do plano de saúde subiu muito

Havolene Valinhos Everton Menezes
São Paulo

O publicitário Sidney Bittenbinder Lopes, 52 anos, de Cotia (Grande SP), conta que tem um plano de saúde Golden Cross, que inclui seus pais, de 76 e 79 anos. O leitor reclama do reajuste da mensalidade do convênio médico, que passou de R$ 3.700 para R$ 4.200.

"Sou cliente há 15 anos e, quando os meus pais mais precisam, eles aumentam o valor do plano de saúde."
"Sou cliente há 15 anos e, quando os meus pais mais precisam, eles aumentam o valor do plano de saúde." - Gabriel Cabral/Folhapress 21 Fev.2017

“Os aumentos são abusivos e totalmente fora da realidade do país. Sou cliente da Golden Cross há mais de 15 anos e, agora, quando os meus pais mais precisam eles aumentam o valor abusivamente até que não consigamos mais pagar”, queixa-se o leitor à reportagem.

Lopes afirma que a rede de referência está sendo descredenciada em São Paulo, pois o plano dá total prioridade ao Rio de Janeiro. 

“Menos hospitais, menos laboratórios, menos médicos e aumentos abusivos. Estou me sentindo lesado diante dessa situação”, reclama ele ao Agora.

 “Peço a intervenção do Defesa do Cidadão para que eu possa encontrar uma solução. Não sei mais a quem recorrer. Preciso muito da ajuda do jornal, pois não posso deixar os meus pais sem atendimento médico”, afirma o publicitário. 

Golden Cross: (11) 4004-2001

Operadora diz que aumentos seguem a lei

A Golden Cross informa que não conseguiu contato telefônico com o associado, mas diz que o reajuste anual aplicado está de acordo com a atual legislação e com as condições gerais do contrato vigente.

A operadora afirma ainda que a rede referenciada está em conformidade com as normas estabelecidas pela ANS (agência reguladora).

______________________________________________________________________________

Veja outras reclamações

Mercado Livre

A autônoma Dara Alexandre Barros, 23 anos, de Aparecida de Goiânia (GO), afirma que está sendo cobrada pelo Mercado Livre por uma compra que ela não realizou. “Tentei comprar algumas roupas, no valor de R$ 300, mas o pagamento não foi concluído. Porém, cobraram normalmente”, queixa-se.

Resposta

O Mercado Livre informa, por meio de nota de sua assessoria, que entrou em contato com Dara Alexandre Barros para confirmar o estorno da compra e o valor total já consta em sua conta. Ao Agora a leitora confirmou a informação. “Estornaram após três meses.”

Enel

A jornalista Soraya Misleh, 50 anos, do Ipiranga (zona sul), diz estar aguardando a religação de energia pela Enel SP desde o dia 23 de outubro. “Além de terem efetuado o corte indevido, não cumprem o prazo para religação, que venceu às 15h15 de 24 de outubro, mas não resolvem. É muito desrespeito.” 

Resposta

A Enel Distribuição São Paulo informa, por meio de nota de sua assessoria de imprensa, que, em razão de débitos em aberto, a empresa realizou o corte de energia da cliente. A empresa diz ainda que a consumidora será compensada na próxima fatura.

Sky 

Helena dos Anjos Soares Barbosa, 40 anos, de Guaianases (zona leste), conta que é assinante da Sky e teria que pagar a mensalidade R$ 84,90 pela TV, mas estão cobrando R$ 106.

Resposta

A Sky esclarece que, para manter o padrão de qualidade, alguns pacotes estão sendo atualizados e foi necessário aplicar ajuste de valor do ponto opcional. Além disso, a consumidora teve o encerramento do desconto de R$ 40, que esteve válido por nove meses. Assim, a assinatura ficou ativa por R$ 106,80.

Vivo

Ildeneide Lima afirma que era assinante do telefone e da TV Vivo Fibra, separados e com datas de vencimento diferentes. A partir deste ano, passei a receber por email as mesmas contas unificadas, com um valor altíssimo: R$ 470,90.

Resposta

A Vivo informa que não conseguiu falar com a leitora após fazer várias tentativas em dias e horários diferentes. A empresa esclarece que não é possível realizar o desmembramento das faturas, que continuarão sendo encaminhadas em uma conta. 

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.