Descrição de chapéu INSS Previdência STF

Supremo julga revisão da vida toda; veja quem pode ter direito

Só aposentado com perfil específico de contribuições poderá ganhar com ação

São Paulo

O STF (Supremo Tribunal Federal) poderá decidir até a próxima sexta-feira (11) se as regras presentes na Constituição permitem que aposentados utilizem todas as suas contribuições previdenciárias, inclusive aquelas realizadas em moedas anteriores ao real, no recálculo do valor dos benefícios.

Essa é a chamada revisão da vida toda, cujo direito já foi julgado legal pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça), o que fez restar ao INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) o questionamento da constitucionalidade como último recurso para tentar inviabilizar essa ação judicial.

A posição favorável do STJ aos aposentados e a aparente abrangência da ação talvez sejam os principais motivos para a popularização do tema. Mas diferente do que possa parecer, não há garantia de vitória no Supremo para os trabalhadores e, caso ocorra, certamente não será para todos.

Existe basicamente um perfil de aposentado que pode ganhar com a revisão da vida toda: aquele que começou a trabalhar anos antes da criação do real, em julho de 1994, e que fez nesse período as maiores contribuições previdenciárias da sua vida por tempo suficiente para melhorar toda a sua média salarial.

“É uma revisão que beneficia o trabalhador com perfil contributivo invertido, ou seja, que recebeu os maiores salários no início da carreira e se aposentou no momento em que tinha uma renda mais baixa”, afirma Diego Cherulli, vice-presidente do IBDP (Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário).

O argumento de que a revisão é limitada a esse grupo de beneficiários faz parte da sustentação levada ao STF pelo IBDP.

O instituto, que reúne parte dos principais advogados previdenciaristas do país, tenta convencer os ministros de que a revisão não resultará em prejuízo significativo aos cofres públicos de modo a prejudicar a população em geral.

Para ser beneficiado pela revisão da vida inteira, o aposentado ainda precisaria preencher uma série de outros requisitos.

O principal deles é possuir o início da aposentadoria entre novembro de 1999 e novembro de 2019, pois nesse período é que vigorou uma brecha legal que possibilitou a revisão (veja detalhes ao final do texto).

Outra condição fundamental é que o pedido de revisão ocorra em até dez anos após o recebimento do primeiro pagamento da aposentadoria. Após esse prazo, o segurado perde o direito de revisar o valor inicial do benefício.

Por parte dos aposentados, a compreensão dos limites dessa revisão, segundo Cherulli, pode evitar demandas judiciais de pessoas que não possuem chances de serem beneficiadas.

Quanto aos ministros do STF, o convencimento de que essa é uma ação restrita a poucos pode evitar a repetição de situações como o julgamento da desaposentação.

Na ocasião, o Supremo determinou a inconstitucionalidade do recálculo dos benefícios com base em contribuições realizadas após a aposentadoria, mesmo após o STJ já ter reconhecido esse direito.

REVISÃO DO INSS | TODAS AS CONTRIBUIÇÕES DA VIDA

O STF (Supremo Tribunal Federal) marcou o julgamento da revisão da vida toda, gerando a expectativa de aumento da renda para parte dos aposentados.

Pedir a revisão da vida toda significa iniciar uma ação na Justiça para solicitar o recálculo da aposentadoria com a inclusão de contribuições realizadas antes de julho de 1994.

Essa possibilidade existe porque uma mudança na legislação previdenciária em 1999 criou uma brecha para o questionamento ao cálculo utilizado pelo INSS. Entenda:

MUDANÇA NA LEI É BASE PARA A REVISÃO

Ao fazer a reforma da Previdência em 1999, o governo criou duas fórmulas de cálculos para a média salarial:

1. Para quem já era segurado do INSS até 26 de novembro de 1999:

A média salarial é calculada sobre 80% das maiores contribuições feitas a partir de julho de 1994

2. Para quem começou a contribuir com o INSS a partir de 27 de novembro de 1999:

A média é calculada sobre 80% dos mais altos recolhimentos desde o início das contribuições (sem definir a data de início das contribuições)

O que os aposentados pedem:

  • Trabalhadores que começaram a contribuir com a Previdência até 26 de novembro de 1999 pedem para que seja aplicada a eles a mesma regra do grupo que começou a recolher a partir de 27 de novembro daquele ano, ou seja, a inclusão de todas as suas contribuições no cálculo da aposentadoria
  • Para usar um termo técnico, esses aposentados pedem à Justiça revisão do seu PBC (Período Básico de Cálculo), para incluir os salários recebidos antes da criação do real no cálculo da aposentadoria

Período a ser revisado

  • O governo aprovou uma nova reforma da Previdência em 13 de novembro de 2019 e modificou novamente o cálculo da média salarial
  • A nova regra diz que, para todos que atingem condições de se aposentar a partir do dia 13 de novembro de 2019, a média salarial é calculada com todas as contribuições a partir de julho de 1994
  • Ou seja, a nova regra é clara quanto ao período das contribuições que entram no cálculo dos benefícios previdenciários pagos pelo INSS
  • Por isso, a revisão da vida toda só pode ser aplicada para quem completou os requisitos para se aposentar até 13 de novembro de 2019

QUEM PODE TER DIREITO

Para ter a possibilidade de recorrer à Justiça para exigir o direito à revisão da vida toda o segurado precisa preencher os seguintes requisitos:

  • Ter feito contribuições ao INSS ou trabalhado com carteira profissional assinada antes de julho de 1994
  • Aposentou-se depois de 27 de novembro de 1999 e antes de 13 de novembro de 2019
  • Recebeu o primeiro pagamento da aposentadoria há menos de dez anos e, por isso, ainda está dentro do prazo que antecede a decadência do direito de revisar o benefício

E para quem vale a pena?

  • A revisão da vida toda só valerá a pena se as contribuições feitas antes de julho de 1994 foram realizadas sobre valores que, em média, eram mais altos do que as realizadas após essa data
  • Pode ser, por exemplo, o caso de um trabalhador da indústria que teve bons salários na década de 1980 e início dos anos 1990, mas foi demitido e passou a trabalhar em atividades que pagaram salários mais baixos após julho de 1994
  • Mas essa revisão não trará vantagem para quem, por exemplo, só atingiu o auge da carreira e recebeu os maiores salários da vida profissional após julho de 1994

Só com cálculos

  • Antes de pedir a revisão, é fundamental consultar escritórios de advocacia ou contadores especializados em cálculos previdenciários
  • O cálculo da revisão da vida toda é dos mais complexos, pois envolve contribuições feitas em outras moedas, anteriores ao real
  • Somente após a atualização dos valores das contribuições antigas será possível avaliar se valerá a pena iniciar a ação judicial

Fontes: IBDP (Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário) e tema 1.102 do STF (Supremo Tribunal Federal)

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.