Descrição de chapéu Zona Sul

Idoso morre com tiro no peito ao tentar evitar assalto

Homem de 67 anos percebeu que sua casa seria invadida

Alfredo Henrique
São Paulo

O idoso Masaaki Hayama, 67 anos, foi morto com um tiro no peito ao tentar impedir que um ladrão entrasse em sua casa, por volta das 20h30 de segunda-feira, na região do Sacomã (zona sul).

Masaaki Hayama, 67 anos, que foi morto com um tiro no peito na região do Sacomã (zona sul) - Reprodução

Um adolescente, de 16 anos, acabou apreendido para averiguação e um outro suspeito da ação não havia sido localizado até a conclusão desta edição.

Segundo relatado pela filha de Hayama à polícia, ela, o pai e a mãe jantavam quando perceberam, pelo circuito de monitoramento com câmeras da casa, que duas pessoas haviam pulado o muro da residência.

A filha da vítima, de 36 anos, disse que, por conta da invasão, Hayama e a esposa, que não teve a idade informada, “correram para fechar portas e janelas”, enquanto ela telefonava para à polícia.

O idoso percebeu que a porta da cozinha estava destrancada e correu para fechá-la. Porém, os ladrões começaram a forçar para entrar. Por uma fresta da porta, um dos bandidos colocou a mão para dentro e atirou, uma vez. O disparo acertou a região do tórax do idoso, que caiu em seguida. Os suspeitos fugiram sem levar nada.

Segundo o boletim de ocorrência, a filha de Hayama notou que os bandidos estavam em um Fiat Uno prata, estacionado em frente à casa, pouco antes da tentativa de invasão. O carro foi usado pela dupla para fugir.

Por conta da gravidade do ferimento, policiais militares que atenderam à ocorrência não esperaram a chegada da ambulância. Eles levaram o idoso para o hospital de Heliópolis (zona sul), onde a vítima morreu.

A Polícia Científica foi à residência, para coletar impressões digitais dos ladrões, na maçaneta da porta. O 26º DP (Sacomã) registrou o caso como homicídio. O distrito não havia registrado nenhum assassinado entre janeiro e fevereiro deste ano.
 

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.