Descrição de chapéu Zona Oeste

Menores usam patinetes para roubar na Faria Lima

Garotos têm entre 8 e 12 anos e visam celulares

Alfredo Henrique
São Paulo

Comerciantes e pedestres da avenida Faria Lima, em Pinheiros (zona oeste), e usuários da ciclovia do local, reclamam que um grupo de menores tem usado patinetes elétricas para realizar roubos na região.

A SSP (Secretaria de Segurança Pública) diz que apenas um caso foi registrado. A reclamação, porém, é constante na região do largo da Batata, na Faria Lima.

Patinetes elétricas na ciclovia da avenida Faria Lima, em Pinheiros (zona oeste) - Ronny Santos/ Folhapress

A reportagem apurou que os menores têm entre 8 e 12 anos de idade.

A advogada Tania Brunhera Kowalski, 45, testemunhou uma tentativa de roubo, em que dois garotos perseguiam um estudante, com patinetes elétricas deixadas por usuários após serem alugadas por aplicativo.

“Vi o menino [vítima] correndo pela rua Cardeal Arcoverde e, atrás dele, dois moleques o perseguiam [com patinetes]. Quando ele [vítima] passou por mim, o puxei para dentro de uma banca de jornais, onde eu estava”.

Comerciantes ouvidos pela reportagem contam, em anonimato, que os garotos usam as patinetes para pegar celulares das mãos das pessoas e fogem rapidamente. Eles também atacam ciclistas em ciclovias.

O Agora flagrou nesta quarta-feira (17) um garoto no largo da Batata tentando destravar uma patinete, sem sucesso.

Os garotos aproveitam quando usuários do aplicativo esquecem de fechar a corrida, quando há problema de comunicação com o celular usado para locação ou ainda tomam as patinetes de quem as alugou.

A Yellow, responsável pelos veículos, explicou que, quando o cliente não trava a patinete, ela fica três minutos ainda disponível. “O procedimento correto é o usuário arrastar o botão de ‘corrida finalizada’”, diz em nota.

Em outro caso na capital, também na zona oeste, a publicitária Daniela Andreucci, 39 anos, desistiu de andar de bicicleta após ser perseguida por um garoto, que usava uma patinete elétrica, após o Carnaval deste ano, na região da Vila Madalena.

Ela disse que parou com sua bicicleta, na esquina das ruas Aspicuelta e Harmonia, quando “de repente” viu um grupo de dez “moleques” correndo em sua direção.

“Antes mesmo que eu pudesse pensar, um deles já estava do meu lado com a mão na minha bike. Consegui esquivar e, enquanto estava descendo a rua, com medo e tremedeira nas pernas pelo susto, escutei alguém me chamando. Quando olhei para o lado, era um dos garotos de patinete me perseguindo”, relatou.

Após este caso, a publicitária também disse que foi atacada por três homens, quando pedalava com sua bicicleta, na avenida Sumaré, também na zona oeste.

Ela mora na região em que foi abordada pelos garotos desde que nasceu. “Nunca vi isso acontecendo. As patinetes motorizaram quem tem má intenção. Estão usando para perseguir, bater de frente com as pessoas. Sem dúvida, agora há uma vantagem para os ladrões”, afirmou a publicitária.
Willian Cruz, fundador do movimento Vá de Bike, afirmou ser necessário “mais empenho” da prefeitura para garantir a segurança de ciclistas. “É importante investir na iluminação das vias e na instalação de câmeras”, ponderou.

Já o advogado Roberto Kanitz, 36, foi abordado de outra forma, por uma espécie de arrastão com menores à pé, quando ele pedalava na ciclovia da Faria Lima, perto do Instituto Tomie Ohtake. “Fugi para o asfalto e mesmo assim, um deles foi atrás para tentar me bloquear a passagem, mas consegui fugir”, afirmou.

Resposta

A SSP (Secretaria da Segurança Pública), gestão João Doria (PSDB), afirmou que o 14º DP (Pinheiros) investiga “uma ocorrência” de assalto “com as características apontadas pela reportagem”. “As equipes de investigação realizam diligências para identificar e prender os autores”, afirma trecho de nota da pasta.

A Polícia Militar afirmou que “o tipo de crime apontado pela reportagem” ocorre pelo fato de na região existirem “vias de grande fluxo de pessoas e veículos”.

“O trânsito intenso acaba criando um ambiente favorável ao criminoso, exigindo da polícia estratégias especiais, como o policiamento com motos, e também com a utilização de bicicletas.”
Ainda segundo a PM, foram detidos na região, entre janeiro e fevereiro, 190 suspeitos, incluindo menores de idade.

Para tentar conter os roubos e furtos com os patinetes, a GCM (Guarda-Civil Municipal) deverá usar o próprio veículo em rondas na região da Faria Lima.

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.