Justiça manda prontos-socorros atenderem em São Paulo

Decisão desta quarta-feira é para Hospital das Clínicas e Santa Marcelina

Elaine Granconato
São Paulo

Os prontos-socorros do Hospital das Clínicas (zona oeste) e do Hospital Santa Marcelina, em Itaquera (zona leste), não poderão suspender o atendimento à demanda espontânea, conforme decisão judicial desta quarta-feira (3).

Ambulância no setor de emergência do Hospital Santa Marcelina, em Itaquera (zona leste) - Ronny Santos - 19.abr.2019/Folhapress


O Tribunal de Justiça reformou decisão de 1ª instância e concedeu liminar ao Ministério Público, que pedia pelo não fechamento dos prontos-socorros.

Com a decisão, os dois hospitais deverão realizar triagem e classificação de risco de todos os pacientes, atendendo à demanda espontânea em seus prontos-socorros. 

Em junho, o juízo já havia concedido a liminar apenas em relação o Santa Marcelina, o que levou o MP a interpor recurso.

Na ação, ajuizada em 17 de maio, a promotora de Justiça Dora Strilicherk cita inquérito que verificou que o pronto-socorro do Hospital das Clínicas não vinha mais atendendo à demanda espontânea desde 23 de novembro de 2018, suspendendo a triagem.

O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, ligado ao governo estadual, gestão João Doria (PSDB) diz, em nota, que ainda não foi notificado pela Justiça.

O hospital diz ser emergência referenciada para atendimento de casos graves, com risco de morte.

O Hospital Santa Marcelina, que é filantrópico, afirma, em nota, que foi notificado da decisão judicial e mantém seu atendimento de acordo com a classificação de risco aos casos complexos trazidos por ambulâncias do Samu, do Corpo de Bombeiros e de outros serviços referenciados.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.