Buracos abertos por empresas serão fiscalizados com aplicativo em SP

Prefeitura lançou plataforma digital para checar as valas das concessionárias

São Paulo

A Prefeitura de São Paulo lançou nesta terça-feira (26) plataforma digital para fiscalizar as diversas obras subterrâneas executadas pelas concessionárias e empresas privadas nas vias públicas da capital.

Agora, valas e buracos abertos pelas empresas de água, energia elétrica, gás e telefonia nas calçadas, ruas e avenidas da cidade terão datas para iniciar e para terminar os serviços, caso não queiram prejuízo no bolso.

Obras de troca de ramais feitas pela Sabesp em rua da Mooca, na zona leste
Obras de troca de ramais feitas pela Sabesp em rua da Mooca, na zona leste - Rivaldo Gomes/Folhapress

Dos cerca de 130 mil buracos abertos na capital por ano, ao menos 90% deles são originários das empresas terceirizadas, que, ao final, fazem serviço malfeito no pavimento, desde remendos a desníveis nas vias.

Com a publicação do edital nesta quarta-feira (27), as novas obras só serão autorizadas por meio do Geoinfra, sistema informatizado que tornará o processo mais ágil, sem papelada.

Segundo o secretário municipal das Subprefeituras, Alexandre Modonezi, o prazo para autorização das obras será reduzido de 180 dias para 20 dias. No sistema, as empresas terão de colocar todas as informações e os documentos referentes ao serviço.

Ao término, porém, produzirão relatório, com fotos, que mostre o serviço executado para avaliação da prefeitura. As empresas têm até 180 dias para apresentar o mapeamento do subsolo na cidade.

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.