Prefeitura de SP devolve grana que seria usada na saúde

R$ 927 mil, que vieram da União, eram para ser usados em UBSs

São Paulo

A Prefeitura de São Paulo , sob a gestão de Bruno Covas (PSDB), terá de devolver R$ 927 mil ao Ministério da Saúde. O recurso deveria ter sido usado para a compra de equipamentos de informática, telefonia, mobiliário para unidades de saúde, além de capacitação dos profissionais da área.

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, concede entrevista exclusiva para edição comemorativa dos 20 anos do Agora São Paulo - Otavio Valle - 20.mar.2019/Folhapress

Segundo o ministério, sob a gestão de Jair Bolsonaro, a capital foi contemplada em 2010 para receber R$ 1,179 milhão em duas parcelas, sendo a primeira em março de 2011 e a segunda em janeiro de 2012, no fim do mandato do então prefeito Gilberto Kassab (PSD). 

Parte da grana enviada pelo governo federal na ocasião ficou parada nas gestões de Fernando Haddad (PT) e na atual, primeiro com o atual governador de São Paulo, João Doria, e com o agora prefeito Bruno Covas (ambos do PSDB).

A notificação, recebida pela prefeitura em 30 de agosto deste ano, diz que a administração municipal não tinha comprovado a execução do valor referente à segunda parcela, nem de parte da primeira.

A notificação deu um prazo de 30 dias para a prefeitura da capital comprovar o uso dos recursos ou então devolver o valor.

A devolução da grana foi autorizada pela Secretaria Municipal de Saúde, conforme despacho publicado no Diário Oficial da Cidade no dia 1º de novembro. 

O processo para devolução dos recursos seguirá agora os trâmites previstos pelo TCU (Tribunal de Contas da União).

Resposta

A gestão Kassab disse que concluiu a informatização da rede básica e que usou R$ 420 mil da verba. A gestão Haddad disse que comprou computadores e equipamentos, deixando estruturada a conclusão de modernização para o governo seguinte. A gestão Covas disse que a grana não foi usada na época por falta de tempo, pois os projetos estavam em andamento.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.